Pular para o conteúdo principal

Os 10 RPs brasileiros que merecem ser seguidos no twitter

Esta semana a equipe de Ocappuccino.com divulgou na internet uma lista com os 10 RPs brasileiros que vale a pena seguir no twitter. Após uma extensa pesquisa na rede, de pesquisa junto a profissionais, professores, pesquisadores e estudantes de Relações Públicas, e também de pesquisa bibliográfica sobre capital social e termos como reputação, influência, credibilidade e visibilidade nas redes sociais, listaram 10 profissionais de Relações Públicas brasileiros que merecem ser seguidos (ou que são mais influentes) no twitter. Confira a lista!




No dia 29 de setembro demos um RT: @ligiabia 100 Relações Públicas que vale a pena seguir noTwitter. http://bit.ly/39xV0q e 22 minutos depois twittamos: Saí no @ocappuccino nos próximos dias a lista com os 10 Relações Públicas Brasileiros que vale a pena seguir no Twitter.

A partir deste momento iniciamos uma extensa pesquisa na rede para tentar produzir a tal lista. Entramos em contato com profissionais, professores, pesquisadores e estudantes de Relações Públicas para que eles indicassem, cada um, RPs que considerassem influentes no twitter. Só que no ímpeto da idéia não percebemos a mancada: como iríamos caracterizar a influência para os pesquisados?!?! Então mudamos a indagação, por que talvez influente não seria o melhor termo, e começamos a pedir indicações de RPs que merecessem ser seguidos no twitter.

Por que talvez o termo influente não fosse o mais adequado? Porque para caracterizar a influência exercida na ferramenta é preciso analisar o capital social deste ator na rede. E em 140 caracteres convenhamos que não é nada fácil conceituar capital social e suas abrangências.

Mas será que é mesmo possível mensurar a influência de um perfil no twitter? Como? Quantidade de seguidores? Número de RT? Apuração de clics nos links twitados? Contagem de DM? Alto índice de menções? O indicador de quantas respostas recebe? Quantas vezes foi indicado por #FF?

Bom, como responder estas perguntas sem conhecer sobre o tema? Sendo assim, a melhor solução para descobrir o que não se sabe é pesquisando! E foi assim que descobrimos o estudo, The Influentials - New Approaches for Analyzing Influence on Twitter, de Alex Leavitt. Ele define influência no twitter como o potencial de uma ação de um usuário para iniciar uma ação por outro usuário e afirma que é relacionando todos os dados acima (seguidores, RT, links, DM, menções, respostas, indicações) que se consegue tangibilizar essa influência. Parece fácil assim, mas não é; e Alex só conseguiu provar suas teorias aplicando uma pesquisa com 12 celebridades e suas atuações no twitter norte americano.

Não é nada fácil, mas dá para entender um pouco mais sobre a consitituição do capital social lendo Raquel Recuero. No artigo escrito para o Compós, EM BUSCA DAS 'REDES QUE IMPORTAM' - Redes Sociais e Capital Social no Twitter, ela identifica duas apropriações predominantes de como usamos o twitter: informacional e conversacional. E é a partir dessas duas formas de uso que estão relacionadas à construção e percepção de capital social no twitter. Vamos entender melhor:

Em relação à apropriação informacional, que nada mais é do que o acesso à informação, Raquel Recuero diz que Tweets que trazem informações são especialmente úteis à rede social. Eles permitem o acesso a novas informações, a novas discussões e, por isso, auxiliam na construção do CONHECIMENTO. Publicar informações de qualidade e em primeira mão já foi relacionado por vários autores com valores como REPUTAÇÃO na rede social. A busca pela reputação também influencia a POPULARIDADE, outro valor que pode ser identificado no Twitter. Quanto maior o número de seguidores que alguém possui, maior a sua VISIBILIDADE na rede (mais pessoas recebem seus tweets). Quanto mais visível, maiores as chances de receber novas conexões e tornar-se mais popular. Entenderam? As palavras em CAIXA ALTA, grifadas por mim, reforçam os fatores essências no processo de construção de um capital social.

Já em relação à apropriação conversacional - que Raquel denomina de valores relacionais, ou seja, os diálogos no twitter - ela afirma que Outro valor do Twitter está relacionado a seu uso para a conversação. São formas de capital social relacionadas com a criação e o aprofundamento de LAÇOS SOCIAIS. Essas conversações podem auxiliar a gerar empatia, intimidade e SUPORTE SOCIAL para os atores envolvidos, o que também gera VISIBILIDADE. Finalmente, as conexões que são obtidas e mantidas através da conversação também podem agregar REPUTAÇÃO, acesso à informação e conhecimento aos atores sociais, pois proporciona-se um espaço de discussão.

E há quem diga que não dá para ter diálogo no twitter. Dá sim e ele é importante na construção da influência e os grifos, novamente de propósito em CAIXA ALTA, são algumas pistas para desvendar o mistério da influência exercida por alguns e almejada por muitos. Ou será que a atuação no twitter e em outras redes não está relacionada à conquista de capital social, tais como: ser conhecido (popularidade), aparecer em ferramentas específicas (visibilidade), ser reconhecido como autoridade (reputação), construir uma rede social maior (popularidade), conversar com os amigos (sociabilidade), obter algum outro tipo de reconhecimento (reputação)? Raquel Recuero afirma exatamente isso em A Economia do Twitter: Mais Apontamentos.

Na prática funciona mais ou menos assim: alguém que consideramos um grande entendedor de mídias sócias fala que o Google irá lançar um novo serviço. É bem provável que, ao lermos o tweet, atribuiremos credibilidade à informação, a partir da reputação que previamente percebemos de quem twittou, e repassemos à nossa rede de seguidores. Por isso, alguns termos como reputação, influência, credibilidade, visibilidade são importantes para se entender o processo.

Tirando alguns destes conceitos complexos de lado, é interessante perceber o processo prático de escolha na indicação destes 10 RPs. Raquel Recuro fala em outro texto, Considerações sobre o Twitter II - Autoridade, sobre AUTORIDADE e relaciona autoridade no twitter como um componente herdado dos blogs. E isso é percebido na lista dos 10 + indicados, pois todos são autores de blogs ou portais. Então é possível perceber que alguns blogueiros que já tinham alguma credibilidade em seus blogs parecem importar essa CREDIBILIDADE ao Twitter e construir AUTORIDADE a partir dela. Fato que ajuda a entender o porquê eles foram indicados e merecem ser seguidos, pois já possuiam capital social herdado de seus ecossistemas.

Bom, toda esta ladainha para enrolar um pouco e chega a hora de listar os 10 RPs brasileiros que merecem ser seguidos (ou mais influentes) no twitter:

@aureliofavarin Aurélio Favarin, autor do TCC Comunicação
@baldurquino Pedro Baldurquino, um dos autores do Horizonte RP
@carolterra Carol Terra, autora do RPalavreando
@fabioalbukerk Fábio Albuquerque, autor do Gecorp
@laisbueno Lais Bueno, autora do Em diálogo
@lidifaria Lidi Faria, autora do Lidi Faria
@rprodrigo Rodrigo Cogo, autor do Mundo RP
@rcamposrp Ricardo Campos, autor do Ricardo Campos: reflexione
@thiane Thiane loureiro, autora do Vertente (*exceção: pois é formada em jornalismo, mas trabalha como RP)
@universorp Flávio Shimitd, autor do Blog do Flavio (*exceção: apesar da lista ser de pessoas físicas, o UniversoRP.net foi indicado e aparece na lista pois Flávio Shimitd simboliza o portal e é a sua imagem que personifica o avatar no perfil)

Observação 1: Esta lista não foi criada pelo blog e sim produzida a partir das indicações no twitter de diversos pesquisadores, professores, profissionais e estudantes de Relações Públicas.

Observação 2: Os indicados estão listados em ordem alfabética, e a ordem não caracteriza nenhum ranking ou quantidade de mais indicações.


Fonte: Por Equipe Ocappuccino.com

1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …