Pular para o conteúdo principal

Tecnologias facilitam monitoramento do comportamento do consumidor



Surpreender o cliente e analisar o concorrente, seja no mundo físico ou online, tornaram-se a peças fundamentais para o varejo, e-commerces e empresas de propaganda e marketing que desejam vender seus produtos de maneira assertiva, além de conhecer a fundo seu público. Por isso, a era do monitoramento do consumidor vem ganhando as ruas, shoppings centers e, claro, a internet.

As novidades incluem sensores em vitrines que monitoram a reação do consumidor diante do que está vendo e sistemas que analisam o potencial de compra de internautas em sites de e-commerce. Os principais objetivos das ferramentas são conhecer melhor os clientes para incrementar as entregas nos pontos de venda e evitar perdas de receita para a concorrência.

Conheça abaixo 7 ferramentas que estão em ascensão no mercado.

A plataforma voltada para o disparo de e-mail marketing consegue enviar conteúdos relacionados apenas com o perfil de navegação e consumo dos usuários, o que garante relacionamento muito mais próximo e aumenta a conversão das ações.

2. BigData Corp
A empresa oferece serviço de big data, que tem como finalidade organizar, por meio de plataformas de tecnologia da informação, grande volume de informações gerado nas redes sociais, smartphones, câmeras e sistemas operacionais de empresa, usando-as para a gestão de negócios. O número de dados alcançados auxilia as empresas a tomarem decisões mais precisas em suas estratégias.

3. Shopback
A empresa utiliza o potencial de monitoramento do consumidor para recuperar clientes e carrinhos de vendas do e-commerce por meio de remarketing, retomando o contato com o cliente com um e-mail ou outras ferramentas online. A Shopback utiliza uma tecnologia avançada de avaliação de comportamento de usuários e um grande banco de dados. Com isso, identifica um usuário sem que ele esteja logado, permitindo realizar ações de remarketing personalizados por e-mail ou com recursos de engajamento no próprio site, aumentando a taxa de conversão em até 45%.

4. FX Flow Intelligence
A empresa desenvolve tecnologia para ajudar os lojistas e shopping centers a identificar comportamento dos consumidores em lojas, espaços públicos e shoppings centers. Por meio da tecnologia de visão computacional, um dispositivo instalado no ambiente é capaz de monitorar e informar via Internet (wi-fi ou 3G) a quantidade de visitantes, as hot zones (zonas com maior fluxo), a direção e o comportamento no tráfego, entre outros indicadores, permitindo que as decisões estratégicas sejam tomadas com mais precisão.  

5. Gauzz
A solução possibilita que as redes de varejo e shopping centers conheçam melhor o comportamento dos seus consumidores, já que com o acesso da internet via wi-fi, os movimentos do consumidor é rastreado e monitorado por meio de seus smartphones. 

6. NeoAssist
A empresa possui plataformas que ajudam na unificação de todos os canais em um mesmo local. Uma de suas apostas é a machine learning que refere-se à capacidade de uma tecnologia incorporar hábitos conforme sua utilização. Neste caso, a plataforma absorve conhecimento de acontecimentos anteriores dos consumidores e, se existirem situações semelhantes, oferece respostas que solucionam problemas antigos, facilitando o trabalho do operador e dinamizando o atendimento.

7. Precifica
Empresa brasileira de precificação inteligente consegue utilizar analise de informação, para que as lojas virtuais criem regras para atuar na alteração automática dos preços dos produtos. A empresa realiza também ações de análise de sortimento e monitoramento de frete, que auxiliam as lojas virtuais em todas as etapas da comercialização de produtos, desde a política de remessas que compõe o preço final do produto até a identificação de oportunidades.


Fonte: Mundo do Marketing, disponível em http://boo-box.link/22UBU

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …