Pular para o conteúdo principal

Xô, Xô, 2008!

2008 não poderia ter sido pior para a imagem das empresas. No mundo todo. A crise começou nas bolsas e as empresas de capital aberto tiveram que enfrentar o mais dos indomáveis stakeholdesrs: o acionista. Pânico, decepção, raiva. Como era de esperar-se, a comunicação com esse público foi um desastre. Sem fazer jogo de palavras, os comunicadores fugiram pelos fundos deixando com os investidores o mico e o travo amargo do descrédito. Não demorou nada e a crise chegou à chamada economia real. Foi democrática. Atingiu – e ainda vai atingir - pequenas, médias e grandes empresas, estatais e não-estatais, multinacionais e nacionais. De todos os setores da economia.

Com o problema da escassez do crédito, a demanda encolheu. Aí, sobrou para os empregados. Demissões em massa. Os números são impressionantes. Na Europa, nos Estados Unidos, no Japão. Por enquanto. Um verdadeiro holocausto. As empresas estão tendo que encarar os funcionários, suas famílias, sindicatos. Menos produção, menos negócios resultam em cancelamento de contratos com fornecedores, isto é, com pequenas e médias empresas, que, por sua vez, mandam também seus colaboradores para casa. Resumo da ópera: além de ter, de uma só vez, problemas com todos os stakeholders importantes – clientes, acionistas, empregados, fornecedores – as empresas ainda têm a sua imagem deteriorada junto à opinião pública.

Para ela, opinião pública, as empresas são, como sempre, as grandes vilãs. No imaginário popular, foram elas, as responsáveis pela lambança. A “eterna ganância, aí está a origem do Mal” – o refrão volta às paradas. Os governos, “abrindo os cofres” - noutras palavras devolvendo o que tomou das empresas e dos cidadãos através de impostos –, faz gentileza com chapéu alheio. Antes da crise, não fizeram a sua parte, fiscalizando, cortando gastos, sendo eficientes, investindo corretamente, etc. Além do mais, botaram gás nos balões do “oba-oba”.

Muitos que estão hoje no poder se elegeram na esteira da exuberância. Agora, lavam as mãos. Posam de bonzinhos. Dão uma de Tonto. “Nós, quem – cara-pálida?” Enfim, a imagem das empresas está no bagaço. Não se sabe quando as coisas vão melhorar. O que se tem certeza é que não vai faltar trabalho para os comunicadores. Quando falo “trabalho” não me refiro à “emprego”. Não quero dizer que as empresas estarão desesperadas atrás de profissionais da área. Ao contrário, acho que o bicho também vai pegar por aqui, ora se vai. [Se em tempos de vacas gordas não era moleza, imagine agora que elas emagreceram]. Como “trabalho” quero dizer “criatividade”, “inteligência”, “bom-senso”, “inovação”.

Os novos tempos não são para receitas de bolo. Nem para o feijão-com-arroz nosso de cada dia. Mais que nunca o comunicador terá que entender de mundo. Compreender e relacionar as questões públicas – cada vez mais universais - aos negócios da empresa. E sabe aquilo tudo que você sabia a respeito dos stakeholders? Esqueça. Eles não são mais os mesmos. Aliás, nem nós somos mais os mesmos, não é verdade?

Ah, não pode faltar no nécessaire reflexões sobre ética empresarial. Feito o dever de casa, montar novos processos, novos programas. Depois, arregaçar as mangas e ir à luta. Xô, xô, 2008! Feliz 2009 para todos nós.


Fonte: Por Roberto de Castro Neves, in www.aberje.com.br

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Compromisso, atitude valorizada na empresa

Entre as qualidades esperadas de um bom profissional, o compromisso ocupa uma das primeiras posições. Esta qualidade é, por si mesma, tão forte que torna impossível alguém tentar representar que a tem, quando na verdade faltam-lhe as atitudes que mostrem de fato a existência deste compromisso. Nas empresas, os proprietários e dirigentes a percebem e a valorizam como um dos pontos críticos para determinar a atuação de um funcionário.

Cada vez que agimos com sentimento de compromisso verdadeiro, criamos uma clareza e bem-estar. Ao agir de forma comprometida com uma empresa, honramos um compromisso conosco. Do mesmo modo, ao assumirmos um compromisso conosco, estabelecemos um compromisso com a empresa, respeitando o que entendemos ser importante para nós. Por isso, o comprometimento só pode ser obtido por estímulos internos.

As empresas querem pessoas de compromisso, pois é ele que traz uma sensação de segurança de que todos farão o melhor. O tempero que dá gosto, velocidade e eficácia ao…

Relações Institucionais em alta

No jogo de xadrez, a rainha circula por todas as casas, por causa de sua grande capacidade de movimentação. Nas empresas, os diretores de relações institucionais (RI) agem mais ou menos como essa peça-chave do jogo. São convocados a auxiliar presidentes e diretorias específicas a destrinchar situações variadas, de crises a grandes transações de mercado. É esse executivo que atua como interlocutor entre empresas, governos, bancos, mídia, sindicatos e lideranças comunitárias quando os interesses e a imagem de sua corporação estão em pauta. E vem ganhando importância com o aumento de negociações, fusões e altos investimentos em empresas brasileiras, que estão batendo recordes. Foram cerca de 700 operações só em 2007. As empresas estão fazendo grandes aquisições, tendo que participar de trâmites que envolvem órgãos, como o Conselho de Direito Econômico (Cade) e agências de regulamentação. O diretor de relações institucionais orquestra e participa de todas essas negociações, diz Hebert Ste…