Pular para o conteúdo principal

Tecnisa: posicionamento digital diferenciado

O Marketing está mudando e hoje precisão e métricas fazem parte cada vez mais da Era da digitalização, onde tudo que é escrito, falado, ouvido e visto está virando informação. Isso faz com que as mídias sejam diferentes do que eram antes e a dúvida que fica é: estamos preparados para lidar com isso?

O case Tecnisa mostra uma estratégia de posicionamento com foco em entender como entrar na internet. Além de criar um site, é necessário saber lidar com a internet. Hoje é difícil que os profissionais de Marketing consigam dominar todas as ferramentas disponíveis na web, de acordo com Gustavo Reis, Diretor de Mídia da Wunderman.

Segundo Reis, não estamos vivendo uma época de mudança, e sim uma mudança de época. “Nunca mais vou ter que esperar para ver os gols de domingo pela TV. Eu assisto pela internet na hora em que quiser”, diz. Os usuários da internet mudam e isto define as características de interatividade da web. Antes da web 2.0, caracterizada pela interação entre pessoas, existiu a web 1.0 que era basicamente a troca de informações entre empresas. “Estamos entrando na web 3.0, que é a comunicação entre as coisas”, aponta o Diretor de Mídia da agência Wunderman.

Partindo do princípio de que cerca de 30 milhões de usuários votam pela internet no Big Brother Brasil, o executivo atenta para a necessidade dos profissionais de Marketing de pensar de forma mais estratégica e ficar de olho nas oportunidades que os canais oferecem. “Para inovar, o site de M&M’s recebe fotos dos usuários e imprime nos produtos que ele encomendou”, conta Reis, durante o Seminário Marketing 360º Rio de Janeiro.

Case Tecnisa
O projeto de vender apartamentos pela internet tornou a Tecnisa uma construtora diferenciada com relação à concorrência. O conceito inicial da empresa estava baseado em ver a internet não como um meio de comunicação, mas sim como ponto-de-venda. A partir desta estratégia, a Tecnisa começou a criar e gerenciar novos pontos de contato. De acordo com Gustavo Reis, as imagens do produto não devem estar apenas no site da Tecnisa. “Elas tem que estar em outros canais também porque o cliente pode preferir acessar e ver as fotos pelo Flickr, por exemplo. Temos que pensar em todas as possibilidades”, acredita.

Outro dado importante para se tornar relevante na internet é a transparência na comunicação. No site da construtora, todos os apartamentos têm o preço discriminado, valor de parcelas, espaço para marcar visita por e-mail e blog corporativo. Além disso, a Tecnisa conta com um gerente de rede social que, junto a uma equipe, mantém a comunicação na web sob controle da empresa. Outra inovação da Tecnisa é ser uma construtora Pet Friendly, Gay Friendly e Sênior Friendly. Desta forma a companhia atinge públicos que demandam comunicação segmentada.


Fonte: Por Thiago Terra, in Mundo do Marketing
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …