Pular para o conteúdo principal

Inteligência nos processos de comunicação interna

A formatação de business plan para aperfeiçoar a área, qualificar a equipe e garantir retornos financeiros aos investimentos chegou na comunicação interna das organizações. Diagramas, planilhas, projeções de despesas e receitas e outras ferramentas típicas dos setores administrativo-contábil agora fazem parte do cotidiano dos comunicadores. Com orçamentos cada vez mais enxutos, é preciso programar este universo de ação como gerador de valor e não como fonte de gastos. Foi o que se viu na Conferência Internal Communications Intelligence da International Business Communications/IBC, integrante do Informa Group, realizada nos dias 24 e 25 de fevereiro de 2010 no Hotel Park Plaza em São Paulo/SP.

A diretora de atendimento da Press&Mídia Comunicação, Dirce Alves, entende que inteligência competitiva diz respeito à busca de manutenção ou desenvolvimento de vantagem em relação aos concorrentes, a partir da captação, filtragem e análise de dados para embasar tomada de decisão. No contexto da sociedade do conhecimento, onde a interação dos âmbitos social, cultural, econômico, político e institucional é intensa, a efetividade da leitura de cenários influencia na qualidade da ação e reação. A inovação tecnológica e a busca da integração da informação são pontos fundamentais neste cenário, ao lado do alinhamento e da disseminação de missão, visão e valores como base para a reputação. “A inteligência competitiva é um componente crucial da emergente economia do conhecimento, com análise de players de mercado e antecipação de tendências”, complementa. Todo trabalho nesta área precisa levar em conta o diagnóstico dos pontos frágeis e fortes, análise de contexto regional e limitações de tempo e recursos. Com a consciência de que a informação gera negócio, os gestores estão cada vez mais atentos à potencialidade do tema.

A relações públicas Cynthia Provedel, gerente de Comunicação Interna da Ericsson Telecomunicações, trouxe uma equação bastante simples e interessante: se processos são criados de uma somatória de pessoas e ferramentas, e pessoas significam uma conjunção de competências e atitudes, a união entre processos e profissionais leva à inteligência e à otimização. Só atendendo à estratégia do negócio é possível posicionar a comunicação interna como agregadora de valor, com os subsídios necessários para definir plano tático e demandas e alocar ferramentas e recursos. Um ponto importante é reunir uma equipe que apresente competências técnicas, comportamentais e de negócio para dar andamento eficiente a este fluxo. Sobre competências técnicas, cita a formação em si, as habilidades táticas em mídias, conteúdos e ferramentas, o conhecimento sobre mensuração e de temas transversais como branding, sustentabilidade e recursos humanos. As competências comportamentais dizem respeito à capacidade de assumir riscos e liderança, ao poder de persuasão, argumentação e coaching, à agilidade no raciocínio com respostas rápidas, à automotivação, ao relacionamento interpessoal, à sensibilidade, humildade e flexibilidade. Já sobre competências de negócio, a executiva cita conhecimentos de valores de marca, cultura organizacional e do ambiente do mercado. Por isto, indica o assessment, um mapeamento do nível de prontidão, resultados e potencial das pessoas, que cada vez mais atualmente precisam aglutinar habilidades como ser gestor da marca (identidade e reputação), do negócio (forças e fraquezas do cenário e da cultura organizacional), da mudança (provocador de transformações), de mensuração (avaliação, monitoramento, indicadores) e de conteúdos (criação e difusão de mensagens consistentes), além de influenciadores culturais (diplomacia corporativa e entendimento do humano).

Processos inteligentes organizam a estrutura e as tarefas, com consistência planejada sustentando estratégia, tática e tomada de decisão. A ideia é desenvolver processos transparentes e eficientes para identificar gargalos, interfaces e responsabilidades com rapidez. É preciso abranger todos os elos da cadeia com a mesma visão, plataforma e ferramentas. Uma comunicação interna estruturada, para a gerente da Ericsson, busca alinhamento entre escopo estratégico do negócio e de CI, posicionando-se como ferramenta de gestão: a área deve observar e estudar elementos para assegurar a satisfação dos funcionários (a partir do entendimento do perfil, repertório e hábitos), e assim ser permeada por processos robustos, transparentes e inteligentes. O trabalho completa-se com a consulta de líderes e formadores de opinião como aliados da estratégia e multiplicadores confiáveis do face-a-face.

PERCEPÇÕES - A jornalista Fabiana Franco, assessora de imprensa do Hospital Santa Rita de Cássia - uma entidade filantrópica de atendimento a pacientes com câncer em Vitória/ES com 1.200 funcionários e mais de 360 voluntários, tem a visão de que o público interno é um dos responsáveis por difundir positivamente o nome da empresa e precisa então ser um aliado. Neste sentido, os canais de comunicação são desenvolvidos e implantados e os públicos de interesse são mapeados e segmentados para garantir atenção e repercussão. “Muito mais do que ter um bom comunicador”, alerta ela, “o setor de comunicação deve se preocupar com o eco de sua voz”.

A integração dos sete mil funcionários da CPFL Energia levaram o gerente de Comunicação Carlos Henrique Ramos a transformar a intranet em um portal de notícias com lay-out arejado e com informações em tempo real. Antes, o espaço era praticamente um depositário de banners, com dados escondidos e sem padronização visual, e a operacionalização do novo projeto veio com treinamento de engenheiros e técnicos-líderes para torná-los disseminadores da nova interface. Uma ampla campanha de comunicação foi implementada, com cartaz no elevador, email marketing, banners impressos e eletrônicos. Toda a estratégia foi baseada na necessidade cada vez maior de expressão da equipe, tanto que a inserção de cerca de quatro matérias por dia com a participação de 35 colaboradores-repórteres levou a 240 mil acessos nos cinco primeiros meses. Já foram registrados 689 comentários, que são considerados “o coração do projeto”, e foram postados 125 anúncios no espaço de Classificados recém-criado. Para Ramos, o canal reforça a determinação da empresa em informar prioritariamente o público interno. O próximo passo é o Orkut corporativo.

Ana Claudia Gomes, responsável pela comunicação interna na Diagnósticos da América/DASA, falou sobre a elaboração de um business plan inteligente na área, identificando previamente as necessidades organizacionais e do público interno para poder apresentar um documento assertivo para a tomada de decisão. Ela cuida de 13 mil funcionários em nove regionais no país e faz a gestão de prioridades das áreas-clientes de acordo com o planejamento estratégico do negócio. A executiva ressalta o alto impacto, e portanto a responsabilidade, sobre a geração de conteúdo relevante, numa gradação que envolve uma seqüência de etapas saber, compreender, acreditar, agir e multiplicar. É neste mesmo enfoque que trabalha Aline Melo, coordenadora de Comunicação do Centro Universitário Senac, como consultoria interna e não como atendedor de demandas, até porque são quatro mil funcionários em 60 unidades em todo o estado de São Paulo. O maior desafio é a organização dos fluxos informativos entre setores, normalmente um nó dentro das estratégias comunicativas.


Fonte: Por Rodrigo Cogo - Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …