Pular para o conteúdo principal

10 fatos sobre redes sociais para prestar atenção

*Por Eduardo Vasques


Todos os dias tem novidade no universo das mídias sociais. E ficar antenado a tudo o que acontece anda cada vez mais difícil. Há, entretanto, alguns movimentos de mercado, de plataformas e até mesmo de comportamento do público que pulam na frente dos gestores de marketing e comunicação das empresas. Para pegar carona em tudo isso, é preciso prestar muita atenção e agir rapidamente.

1. Cada vez mais as plataformas sociais mandam no tráfego 
Entre os canais que se tornaram referência em termos de audiência e apropriação de interatividade estão o Buzzfeed e o Huffington Post. Seus relatórios são claros e mostram as redes sociais como as principais geradoras de tráfego e audiência. As plataformas sociais, inclusive, vêm brigando para se tornarem a primeira fonte de notícias para os usuários de internet. O relatório recente Reuters Digital News Report mostra que 34% dos entrevistados consideram o Whatsapp como uma importante fonte social de notícia no Brasil. O Instant Articles do Facebook está aí para mostrar essa realidade.

2. A hegemonia é perigosa
Já há alguns anos, acompanhamos uma soberania do Facebook em detrimento das demais plataformas sociais em termos de alcance, volume de usuários e audiência. Isso faz com que o jogo social aconteça de acordo com as regras estabelecidas – e muitas vezes não muito claras – de uma única plataforma. É muito poder para uma única empresa. O Google é o representante maior nesse quesito, quando falamos de buscas. Mesmo iniciativas recentes que tiveram destaque no cenário internacional já praticamente desapareceram do contexto – você se lembra do Ello, por exemplo?

3. A publicidade continua central no processo 
Por mais que muitos esforços sejam voltados para permitir e ampliar conexões entre pessoas, privilegiar relacionamentos, no fundo o que as plataformas sociais querem é obter o máximo de informações possíveis sobre o seu perfil para comercializá-las (vender) para as marcas (que compram espaço e publicidade para atingir seus públicos de acordo com os perfis que encontram nessas plataformas). Soma-se a isso a necessidade que as redes sociais têm de se mostrarem rentáveis para os investidores que ali colocaram alguns milhões de dólares.

4. Aplicativos de mensagens instantâneas são as novas redes sociais
Cansados de encontrar pais e familiares ou até mesmo fugindo das discussões acaloradas demais em plataformas como Twitter e Facebook, as pessoas estão migrando para sistemas mais fechados e controlados. Especialmente no Brasil, onde a inclusão digital está acontecendo via mobile, os aplicativos como Whatsapp (que em janeiro já havia ultrapassado a marca de 700 milhões de usuários no mundo), Viber, Telegram e Snapchat ganharam força. O próprio Facebook, depois de comprar o Whatsapp e ser recusado pelo Snapchat, quebrou toda a experiência do usuário no celular em apps. Hoje, oferece um para linha do tempo, outro para gestão de páginas, outro para comunicador e assim por diante. O agravante para as marcas é que, até o momento, boa parte deles não pode ser monitorado.

5. O social commerce já é realidade
A combinação de redução de alcance dos conteúdos, necessidade de entregar retorno aos acionistas e marcas sedentas por criar relacionamento, ampliar e segmentar seus públicos vai provocar uma evolução significativa do social commerce. Os passos entre o ambiente de redes sociais e a aquisição de um produto, conteúdo ou serviço serão ainda mais curtos. Tanto que Instagram e até mesmo o Pinterest já estão disponibilizando botões de “comprar” em suas plataformas.

6. O conteúdo é cada vez mais visual
Lembra daquele bordão que ficou famoso em Cidade de Deus, quando o traficante Zé Pequeno pede para que seus comparsas procurem seu nome nos jornais e a resposta de um deles é: “só sei ler as figuras”? Então, no ambiente digital, as pessoas leem menos e as plataformas tendem a oferecer cada vez mais experiências visuais. De acordo com Leonardo Tristão, diretor-geral do Facebook no Brasil, “no último ano, o uso de vídeo cresceu 75%, o de foto 9%, enquanto o texto caiu 16%”. 

7. Uma parcela importante do monitoramento de marca fica de fora 
Por mais que muitos esforços estejam sendo empregados, as ferramentas e os softwares de monitoramento já bastante conhecidos do mercado ainda não atingiram inteligência suficiente para capturar informações sobre a sua marca quando não há citações explícitas ou quando o conteúdo apresenta somente imagem e vídeo. Isso significa que se o seu logotipo ou uma imagem extremamente negativa associada à sua marca circular, você só saberá que esses dados estão circulando se uma boa alma encontrar e te encaminhar.

8. Boa parte do trabalho ainda é manual
Por mais que haja grandes avanços em relação à semântica aplicada às ferramentas e plataformas de monitoramento de redes sociais, a complexidade da linguagem e a rapidez com que as pessoas alteram sentidos, signos e significados não permite que esses softwares acompanhem essas alterações na mesma velocidade. Esse processo impede que a avaliação das marcas nesse ambiente social seja totalmente automatizado.

9. O papel do seu call center vai mudar
O avanço da nova geração de consumidores, nativos digitais e habituados a resolver tudo online, não terá a ligação telefônica como primeira opção. Isso pode ser uma boa notícia, afinal, sabemos o custo de uma operação de call/contact center. Por outro lado, o perfil de profissionais dedicados ao atendimento ao cliente vai mudar, os softwares serão outros e você terá de repensar toda a maneira de como oferece esse canal ao seu público.

10. Planejamento e gerenciamento em tempo real 
Crescimento do acesso, maior informação e interatividade amplificam o canal de retorno e tornam o público muito mais opinativo e interativo. Isso derruba qualquer planejamento de longo prazo e aumenta os riscos para empresas e marcas, fazendo com que o retorno e o gerenciamento de crise aconteçam praticamente de forma instantânea, forçando as empresas a investirem em marketing e comunicação em tempo real.




* Eduardo Vasques é head de mídias sociais da TV1.Com, disponível em http://boo-box.link/21UXN

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …