Pular para o conteúdo principal

Moda Inclusiva: Modelo com síndrome de Down estrela campanhas de marca


A modelo australiana Madeline Stuart está fazendo sucesso e quebrando barreiras e preconceitos no mundo da moda. Ela tem síndrome de Down, mas isso não a impediu de estrelar campanhas e ganhar sua própria linha de bolsas.

Madeline, que faz sucesso no Instagram com mais de 70 mil seguidores, está em duas novas campanhas da marca everMaya.

A modelo de 18 anos ficou mais conhecida a partir de maio, quando, junto da mãe, fez uma campanha para promover a imagem das pessoas com síndrome de Down e quebrar certos preconceitos.

Além da campanha com Madeline, a marca everMaya lançou, no último dia 15, uma linha de bolsas com design assinado por ela, onde 5% das vendas serão destinadas à causa da National Down Syndrome Society.

Em julho, ela já tinha feito um trabalho para a marca Manifesta, de fitness. Em seu Instagram ela anunciou que irá desfilar na New York Fashion Week, em setembro, no show do brasileiro Fause Haten.

Segundo Damian Graybelle, presidente da everMaya, ao site Mashable, vários pais que têm filhos com síndrome de Down falaram com ele em tom emocional.


Eles disseram que ver uma campanha de moda com uma modelo como Madeline tinha lhes trazido novas esperanças e perspectivas.


Fonte: Exame, disponível em http://boo-box.link/21XZS

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Compromisso, atitude valorizada na empresa

Entre as qualidades esperadas de um bom profissional, o compromisso ocupa uma das primeiras posições. Esta qualidade é, por si mesma, tão forte que torna impossível alguém tentar representar que a tem, quando na verdade faltam-lhe as atitudes que mostrem de fato a existência deste compromisso. Nas empresas, os proprietários e dirigentes a percebem e a valorizam como um dos pontos críticos para determinar a atuação de um funcionário.

Cada vez que agimos com sentimento de compromisso verdadeiro, criamos uma clareza e bem-estar. Ao agir de forma comprometida com uma empresa, honramos um compromisso conosco. Do mesmo modo, ao assumirmos um compromisso conosco, estabelecemos um compromisso com a empresa, respeitando o que entendemos ser importante para nós. Por isso, o comprometimento só pode ser obtido por estímulos internos.

As empresas querem pessoas de compromisso, pois é ele que traz uma sensação de segurança de que todos farão o melhor. O tempero que dá gosto, velocidade e eficácia ao…

Relações Institucionais em alta

No jogo de xadrez, a rainha circula por todas as casas, por causa de sua grande capacidade de movimentação. Nas empresas, os diretores de relações institucionais (RI) agem mais ou menos como essa peça-chave do jogo. São convocados a auxiliar presidentes e diretorias específicas a destrinchar situações variadas, de crises a grandes transações de mercado. É esse executivo que atua como interlocutor entre empresas, governos, bancos, mídia, sindicatos e lideranças comunitárias quando os interesses e a imagem de sua corporação estão em pauta. E vem ganhando importância com o aumento de negociações, fusões e altos investimentos em empresas brasileiras, que estão batendo recordes. Foram cerca de 700 operações só em 2007. As empresas estão fazendo grandes aquisições, tendo que participar de trâmites que envolvem órgãos, como o Conselho de Direito Econômico (Cade) e agências de regulamentação. O diretor de relações institucionais orquestra e participa de todas essas negociações, diz Hebert Ste…