Pular para o conteúdo principal

Nem e-readers, nem tablets: o futuro da leitura está no celular

Nem e-readers, nem tablets: o futuro da leitura é o smartphone (pelo menos nos EUA). É o que mostra esta reportagem do Wall Street Journal.

Por ora, tablets como iPad e Kindle Fire são os dispositivos mais populares entre os apreciadores de e-books, mas há uma tendência de queda: no primeiro trimestre de 2015, 41% dos leitores de e-books usavam tablets — em 2014, eram 44%. Quanto aos e-readers (modelos convencionais do Kindle, Kobo etc.), a queda foi ainda maior: de 50% no primeiro trimestre de 2014 para 32% no mesmo período de 2015. Os smartphones, por outro lado, fazem cada vez mais adeptos. O número de pessoas que usam o celular para ler e-books aumentou de 9% em 2012 para 14% em 2015.

“Uma das razões que explicam por que as pessoas estão lendo no celular é a conveniência”, diz a reportagem. “Se você está na fila da padaria ou do Detran, ou voltando para casa no trem, você pode não ter um livro físico, um e-reader ou um tablet, mas certamente você está com seu celular.”

A segunda explicação é o aumento das telas dos smartphones: em 2011, os celulares tinham, em média, telas de 3,9 polegadas; em 2014, 5,1 polegadas. Não à toa, depois de lançar o iPhone 6, “a Apple registrou aumento no número de pessoas que baixavam livros por meio do aplicativo iBooks. Cerca de 45% das vendas via iBooks são para download em iPhones (…); antes, era 28%.”

Esta tendência tem chamado a atenção de editores, que já trabalham pensando os títulos com o smartphone em mente: redesenham capas para serem legíveis em telas menores e preparam peças de marketing voltadas para a visualização em celulares. 


Fonte: Por Rodolfo Viana, disponível em http://boo-box.link/21Y14

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Compromisso, atitude valorizada na empresa

Entre as qualidades esperadas de um bom profissional, o compromisso ocupa uma das primeiras posições. Esta qualidade é, por si mesma, tão forte que torna impossível alguém tentar representar que a tem, quando na verdade faltam-lhe as atitudes que mostrem de fato a existência deste compromisso. Nas empresas, os proprietários e dirigentes a percebem e a valorizam como um dos pontos críticos para determinar a atuação de um funcionário.

Cada vez que agimos com sentimento de compromisso verdadeiro, criamos uma clareza e bem-estar. Ao agir de forma comprometida com uma empresa, honramos um compromisso conosco. Do mesmo modo, ao assumirmos um compromisso conosco, estabelecemos um compromisso com a empresa, respeitando o que entendemos ser importante para nós. Por isso, o comprometimento só pode ser obtido por estímulos internos.

As empresas querem pessoas de compromisso, pois é ele que traz uma sensação de segurança de que todos farão o melhor. O tempero que dá gosto, velocidade e eficácia ao…

Relações Institucionais em alta

No jogo de xadrez, a rainha circula por todas as casas, por causa de sua grande capacidade de movimentação. Nas empresas, os diretores de relações institucionais (RI) agem mais ou menos como essa peça-chave do jogo. São convocados a auxiliar presidentes e diretorias específicas a destrinchar situações variadas, de crises a grandes transações de mercado. É esse executivo que atua como interlocutor entre empresas, governos, bancos, mídia, sindicatos e lideranças comunitárias quando os interesses e a imagem de sua corporação estão em pauta. E vem ganhando importância com o aumento de negociações, fusões e altos investimentos em empresas brasileiras, que estão batendo recordes. Foram cerca de 700 operações só em 2007. As empresas estão fazendo grandes aquisições, tendo que participar de trâmites que envolvem órgãos, como o Conselho de Direito Econômico (Cade) e agências de regulamentação. O diretor de relações institucionais orquestra e participa de todas essas negociações, diz Hebert Ste…