Pular para o conteúdo principal

Mulheres geração M: como as mulheres estão encarando a vida




As mulheres estão determinadas, são cada vez mais participavas e exigentes. Esse é um resumo do nono estudo da série “Talent Trends” coordenada por Paulo Stephan, diretor geral de mídia da Talent.

Com base em dados de organizações e institutos mundiais, além de pesquisas publicadas em importantes veículos de comunicação, o levantamento identifica a maneira como as mulheres estão encarando a vida e o que mudou no contexto feminino nos últimos anos. “Tentar entender as mulheres sempre foi uma tarefa complexa. As atuais exigem ainda mais energia, mas valem muito o esforço”, diz Stephan.

O nome "Mulheres Geração M” explora o M de mais, de muito, de máximo. O trabalho é dividido em 5 eixos principais: M de Amor, mostra a independência e individualidade nas relações amorosas; M de Poder, que ressalta a determinação a derrubar as últimas barreiras que as separam da igualdade absoluta frente ao sexo masculino; M de Independência, sobre a ampliação considerável do exercício de liberdade de escolha do sexo feminino; M de Diversão, que aponta uma vida social cada vez mais de sua livre escolha; e M de Desejos, que retrata como a mulher almeja a capacidade de realizar os seus desejos individualmente e sem culpa.

Para divulgar a pesquisa, a agência reuniu, na manhã desta sexta-feira, 28, em sua sede, as executivas Andréa Napolitano, diretora de marketing e trade marketing da Lactalis Elebat Brasil, Daniela Cachich, VP de marketing da Heineken, Roberta Godoi, diretora comercial e de comunicação da Unidade Residencial da Net e Claro e Renata Serafim, diretora geral de planejamento da Talent.

O debate foi moderado por Astrid Fontenelle, do programa “Saia Justa”, do GNT. “Esse tipo de informação, fornecida pelo estudo, é muito importante para saber como nos conectarmos com essas mulheres, quem são elas e o que estão buscando”, diz Renata Serafim, diretora geral de planejamento da Talent.

Para Daniela Cachich, os gêneros são complementares: “eu sou muito a favor da combinação entre homens e mulheres. Quando eu vou montar um time, quero que ele seja complementar. A composição dos dois gêneros, no meu olhar, faz a equipe vencedora”, destaca. Já Roberta Godoi acredita que os homens precisam ler o estilo das mulheres e entendê-las melhor.


Os principais números sobre o universo feminino no Brasil:
- 100 milhões de mulheres
- As brasileiras entre 15 e 59 anos de idade somam mais de 67 milhões e representam 30,1% da população total do País.
- A renda da população feminina cresceu mais de 80% em dez anos saltando de R$ 602 bilhões, em 2003, para R$ 1,1 trilhão, em 2013.
- Enquanto a renda da população feminina quase dobrou, a da população masculina, no mesmo período cresceu menos de 50%, de R$ 1,1 trilhão para R$ 1,6 trilhão.
- Elas são digitalmente mais ativas. Ao menos nas redes sociais onde 67% dessas mulheres possuem perfil privado versus 48% dos homens.
- 93% das mulheres americanas gostam de ganhar dinheiro e acumular riquezas e 53% acreditam que dinheiro pode, sim, comprar a felicidade.

As principais conclusões do levantamento:
1 – As mulheres possuem intenso desejo de autonomia em todas as esferas da vida
2 – Busca por igualdade com o sexo oposto em todos os territórios
3 – Age com ousadia na vida amorosa sem que a culpa interfira no prazer

4 – Possui capacidade de decidir por si própria e de arcar com suas escolhas


Fonte: Meio e Mensagem, disponível em http://boo-box.link/226ES
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …