Pular para o conteúdo principal

Futebol e Marketing

A paixão pelo futebol é uma característica do povo brasileiro independente da região. Assim como o grito da torcida no estádio lotado, o futebol inspira executivos a criarem negócios movidos pela paixão. Visando atender exclusivamente o torcedor de futebol, a Roxos e Doentes completa 10 anos em 2009 de envolvimento com o torcedor do esporte mais popular do país. Para eles, o esporte é um negócio lucrativo.

Investindo principalmente no ponto-de-venda, a empresa é responsável por 33 lojas oficiais de diversos clubes no Brasil, incluindo as itinerantes que circulam pelas cidades oferecendo produtos originais dos times locais. O posicionamento da empresa é baseado em estratégias que envolvem o torcedor com seus ídolos através de eventos e venda de ingressos.

Para este ano, a Roxos prepara uma comemoração em grande estilo para celebrar uma década de vida levando torcedores para assistir a grandes clássicos do futebol mundial. Para atingir o patamar atual de atuação no Brasil, a companhia mostrou que tem habilidade com a bola nos pés e visão de jogo quando o assunto é Marketing Esportivo.

Futebol, emoção e paixão no DNA
A Roxos e Doentes mostra que está em plena forma para correr atrás de novos negócios que integrem clubes de futebol e torcida através de uma estrutura criada para oferecer emoção. Recentemente a empresa inaugurou a loja oficial do Flamengo no centro do Rio de Janeiro e atingiu um total de 33 operações no Brasil.

De acordo com Eduardo Rosemberg, sócio-diretor da Roxos e Doentes, o principal diferencial das lojas está no DNA da marca. “A empresa foi formada por pessoas apaixonadas por futebol, que é a base para todo planejamento. Há dez anos, o único projeto era o de sermos um espaço dedicado ao torcedor e não apenas uma loja”, explica.

A Roxos iniciou um trabalho de ampliação do portfólio de produtos para sair do padrão de vender apenas camisas. “Percebemos que o negócio poderia ser bom para as franquias, para o clube e para o torcedor, através de produtos de papelaria e decoração além dos uniformes dos clubes”, conta Rosemberg em entrevista ao Mundo do Marketing.

Novas experiências e extensão digital
Todas as lojas da Roxos e Doentes são desenvolvidas sob a atmosfera do esporte e este é um dos pilares do negócio. Através de franquias, a empresa consegue oferecer a mesma experiência para torcedores de diferentes regiões de um mesmo estado. “A Roxos foi a primeira empresa que conseguiu juntar futebol e franquia, duas coisas que só crescem no Brasil. Faltava uma empresa para assumir esse papel”, diz ao site Marcelo Cherto, Presidente do Grupo Cherto, consultoria especializada em franchising e canais de venda.

Porém, não basta apenas encantar o cliente quando o objetivo é vender produtos e, por isso, o departamento de Marketing trabalha para que toda emoção do torcedor se transforme em vendas. “Fazemos promoção com ingressos para partidas, tarde de autógrafos com jogadores e tudo o que é preciso para fugir da velha plataforma de dar desconto. Ao levar um jogador para a loja o cliente enxerga de forma diferente”, afirma Rebeca Garcia, Gerente de Marketing da Roxos e Doentes.

Seguindo os passos da torcida, a Roxos também investe em e-commerce com o objetivo de alcançar um público ainda maior. “Nossa loja virtual é mais um canal de venda e estamos trabalhando para que ela tenha os mesmos produtos do PDV. O objetivo é atingir outras cidades e estados em que não haja loja”, explica Rebeca ao Mundo do Marketing.

Franquias com o aval de quem conhece
Em seu primeiro ano de atuação, a Roxos e Doentes fechou sua primeira parceria com o Corinthians, reunindo em um espaço os produtos licenciados do clube sob o conceito do futebol. Hoje, a empresa vê uma boa oportunidade de visibilidade para a marca com a contratação do jogador Ronaldo. “Dentro da loja poderemos explorar um pouco mais a imagem dele. Certamente será usada, mas ainda não está definido como”, despista a Gerente de Marketing, Rebeca Garcia.

Para a loja do Flamengo, a Flashop, a expectativa é de que a abrangência seja maior devido à aceitação da marca do clube em diversas regiões do Brasil. “Fizemos um estudo que mostra que o Flamengo tem a maior torcida em 16 estados diferentes. Neste caso é possível trabalhar com franquias em pontos diferentes do país”, avalia Cherto.

De acordo com o Presidente do Grupo Cherto, a melhor saída para os clubes que podem investir em pontos-de-venda exclusivos é entregar o projeto para quem entende do assunto. De acordo com o sócio-diretor da Roxos e Doentes, o investimento neste canal de comunicação e venda faz a diferença. “Queremos que as pessoas sintam vibração e sensações diferenciadas ao entrar nas lojas. Isto é essencial porque o envolvimento é tudo para este público”, completa Edurado Rosemberg.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …