O bom atendimento é o grande diferencial

Tendências de bons negócios para 2009! Consultores de empresas apontam que agregar serviços, tecnologia e aprimorar o bom atendimento são formas de conquistar e manter os clientes. 2009 é um ano para consolidar o negócio atual e apostar no bom atendimento, por exemplo, no concorrido segmento da gastronomia.

O empresário Jesse de Andrade é um mestre no atendimento ao cliente. Todos os dias ele vai de mesa em mesa, senta, conversa, conquista. “Eu que isso realmente é um atrativo importante, você ser tratado pelo dono do restaurante”, afirma o cliente Antônio Macedo.

“Eu sei o tipo do prato que ele gosta, qual é o ambiente da casa que ele gosta de ficar. Isso faz diferença. Sem dúvida”, diz o empresário Jesse de Andrade.

O empresário começou com uma casa de carnes, há 11 anos, no mesmo lugar. Já nesta época, ele mostra uma percepção especial de mercado. A empresa fica em frente ao colégio, numa rua movimentada, com pouco lugar para estacionar. Um dia o emrpesário colocou uma placa na frente “estacionamento gratuito”. Aconteceu o seguinte: as pessoas paravam o carro, atravesavam a rua, voltavam e consumiam. Sem exigir nada nem gastar um tostão com propaganda, a casa ficou cheia.

Em 2000, o emprsário transformou o negócio num restaurante com 220 lugares. Ele apostou na decoração aconchegante, com uma enorme jaboticabeira entre as mesas. “Você tem um ambiente agradável, com pessoas agradáveis, com certeza, tudo digere melhor”, comenta o cliente Aléssio Mathias.

O empresário investiu R$12 mil em tecnologia para aprimorar o atendimento. Ele implantou comandas eletronicas com uma novidade, quando o cliente quer fazer um pedido, ele aperta um botão que faz vibrar um relógio no pulso do garçom. “Na maioria dos restaurantes, você fica dando tchauzinho pro garçon e ele nunca te vê. Aqui não tem jeito, a tecnologia faz o garçom pra você que te atende prontamente”, afirma Maria Cristina Curi.

Hoje, o restaurante consegue uma proeza no atendimento. Cada prato sai em 7 minutos. O segredo está na agilidade da pequena cozinha, onde são preparados e enfeitados 400 pratos por dia. Num espaço de 60 m2, trabalham 13 pessoas. É tudo bem dividido. Um dos funcionários é o contador. O trabalho dele é anunciar os pratos que chegam.

No fogão, quatro pessoas preparam a comida. No balcão, mais quatro pessoas montam o prato. Um cuida do visual. O resultado da rapidez é mais lucro. A agilidade melhorou o aproveitamento do restaurante. O movimento aumentou 10%. “Com a rapidez da cozinha e o bom atendimento, a troca do cliente na mesa é mais rápida, quando mais rapida mais clientes vou anteder, mais lucro eu vou ter”, explica o empresário.

O investimento inicial para montar um investimento desse tipo é de R$300 mil. Muitas vezes, conquistar o cliente exige mais criatividade que dinheiro.

O consultor Alexandre chama a atenção para os pratos com o logotipo da empresa, o porta-copos para absorver a bebida que derrama, ou a pázinha para pegar a fruta no fundo do copo da caipirinha. “Se tiver um serviço um pouco diferente que ele tem normalmente, ele paga mais por isso e além de pagar mais por isso ele se sente customizado e é isso que faz o diferenial competitivo valer a pena”, observa o consultor Alexandre Adoglio.

Outro dica é ouvir o consumidor. A cada três meses o empresário lança oito novos pratos. E antes de incluir no cardápio sempre senta à mesa com os clientes para receber sugestões.

A participação gera confiaça no cliente, que espalha para os amigos. “Um casal de amigos me convidou, eu gostei tanto que eu trouxe minha filha pra almoçar aqui”, conta o cliente Moise Politi.

O restaurante recebe 15 mil clientes por mês. “Acho que o restaurante tem uma estratégia interessante, que é o antedimento pessoal do dono, a localização que é otima, e a qualidade e o preço da comida que é execelente”, aponta o cliente Francisco Camargo.


Fonte: pegntv.globo.com
0