Pular para o conteúdo principal

O novo consumidor é velho

Em 2008 o site Mundo do Marketing tentou mostrar como as empresas estão se preparando e como estão vendendo para o consumidor da terceira idade. Acontece que, mesmo diante do crescimento deste público-alvo a olhos vistos, pouquíssimas empresas têm foco nestes clientes.

O Marketing está vivendo ciclos tão curtos, às vezes demasiadamente frívolos, que chegam a ser mais curtos que os próprios produtos. A onda da vez, e faz um tempo, é o consumidor das classes C e D. Toda empresa, principalmente de bens de consumo, que tenha um Marketing mais ou menos estruturado tem estratégias focadas na população que ganhou poder de compra recentemente.

Fala-se sempre do “novo consumidor”, que muda constantemente. Mas, como tudo que tem a sua “moda” no Marketing, o consumidor que ultrapassou 65 anos ainda não está na moda. Hoje a moda é da “baixa renda” e da mobilidade. Já foi do CRM, lembra? Quem não falasse e fizesse de qualquer jeito o tal de CRM estava defasado.

Não que eles não sejam importantes. São imprescindíveis. Depois da bolha da internet, quando ela era a “bola da vez” em 2000, o meio digital sofreu para achar um modelo de sucesso, tal como aconteceu com o CRM. Já o celular usado como ferramenta de Marketing vive momento diferente no Brasil. Diversos players estão indo com calma para não “queimar” o meio. Corretíssimo. Seria este o caminho em direção à terceira idade.

Os números reforçam o potencial de consumo da terceira idade. O Brasil possui mais de 18,5 milhões de pessoas com idade acima dos 60 anos, representando 10,5% da população, segundo o IBGE. Trata-se de um mercado de nada menos do que R$ 7,5 bilhões.

Projeções da Organização Mundial de Saúde preveem que a população idosa atingirá a marca de 1,9 bilhões de pessoas em 2050, o mesmo número de crianças de 0 a 14 anos de idade, como resultado do aumento da expectativa de vida. Neste ano, cerca de 20% da população mundial serão pessoas acima de 60 anos.

Infelizmente, porém, contam-se nos dedos das mãos as grandes companhias que têm estratégias voltadas para a terceira idade, que estudam este público. Em recente reportagem, entramos em contato com dezenas de empresas perguntando quais eram as estratégias, ou pelo menos, se havia algum plano, para este público. A resposta foi um sonoro não.

Na esteira deste desconhecimento, os fornecedores, agências disto e daquilo, sequer falam no assunto. Há pesquisas. Há estudos, mas são poucos. Todos eles concordam em uma coisa básica: o consumidor da terceira idade não gosta de ser chamado, muito menos de ser tratado como velho. E, por isso, a brincadeira com o título. Porque, para as empresas que não estão nem aí para este novo consumidor, ele é velho.


Fonte: Por Bruno Mello, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …