Pular para o conteúdo principal

As interrupções consomem 28% do dia de um funcionário

Vivemos na era da informação, mas também na era da distração. Começamos uma tarefa e, minutos depois, a interrompemos para checar e-mails ou responder a um recado no messenger. Retomamos o trabalho e paramos em seguida para fazer uma ligação que havíamos esquecido. O recém-lançado Distracted: The Erosion of Attention and the Coming Dark Age ("Distraído: a erosão da atenção e a iminente era das sombras") mostra que a falta de foco dos profissionais contemporâneos traz prejuízos para as empresas e para eles mesmos. A especialista americana Maggie Jackson, autora do livro, mostra os níveis perigosos atingidos por esse fenômeno.

>>>As interrupções consomem 28% do dia de um funcionário, de acordo com levantamento da consultoria Basex citado por Maggie. Os custos para a economia americana são avaliados em US$ 588 bilhões por ano.

>>>Um trabalhador do conhecimento troca de atividade a cada três minutos (incluindo o uso de celulares, e-mails e mensagens instantâneas). Uma vez distraído, leva quase meia-hora para reassumir o trabalho original que havia começado a fazer.

>>> Os funcionários cujo trabalho é rotineiramente interrompido costumam ficar mais frustrados e sofrer de estresse intenso, de acordo com estudos da organização não-governamental Families and Work Institute.

>>>Sob a pressão de prazos, os trabalhadores são mais criativos quando estão focados, não quando estão dispersos ou são interrompidos, de acordo com um estudo publicado na Harvard Business Review.

A distração transforma também a vida em família. Para a estudiosa, isso pode ser verificado nas refeições caseiras, que costumavam ser um ritual importante na vida das pessoas e são ignoradas atualmente por uma boa parte das famílias. Pesquisa citada por Maggie revela que, quando assistem à TV, os pais interagem 20% menos com seus filhos. Passam a dar respostas automáticas a qualquer coisa que eles digam.

Por meio de instrumentos como a neuroimagem, os cientistas começam a entender melhor o fenômeno da atenção. "Se você tem um bom controle da atenção, pode dominar seu processo cognitivo, conter mais suas emoções e articular melhor suas ações", afirma Amir Raz, neurocientista da McGill University. Algumas empresas começaram a enfrentar o problema e criaram momentos para que o pensamento criativo possa florescer sem obstáculos. A IBM aposta nas "sextas-feiras de reflexão", nas quais os funcionários deixam de consultar e-mails e são impedidos de participar de reuniões.

Além de restringir as interferências externas, o que devemos fazer para aumentar a capacidade de atenção de nossas mentes? Uma das saídas é a meditação, sugere a autora. A observação da respiração faz com que fiquemos mais focados. Um dos estudos citados por Maggie, que relata no livro sua passagem por um monastério budista nos Estados Unidos, mostra que bastam oito semanas de meditação para que os praticantes adquiram uma capacidade maior de concentração.


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …