A Estratégia do Oceano azul

Desta vez foi Renné Maubourgne, uma das cabeças pensantes da estratégia do Oceano Azul, quem falou para os participantes do Fórum Mundial de Estratégia HSM sobre como pensou e definiu, em parceria com W. Chan Kim, um dos conceitos de maior sucesso dos últimos anos no mundo dos negócios.Best-seller pelo The Wall Street Journal, Business Week, The New York Times e muitas outras publicações Mundiais, sua obra alcançou o status de National Best-Seller e foi traduzida para 29 idiomas, quebrando o recorde histórico das demais publicações da Harvard Business School Publishing.

Para entender um pouco do que fala sua teoria, é preciso pensar nos negócios como sendo possíveis em dois oceanos: um azul e outro vermelho. Os oceanos vermelhos representam todos os setores existentes – o espaço de mercado conhecido. Aqui as empresas tentam superar as rivais para abocanhar uma fatia maior da demanda existente. A idéia da cor nasceu porque, com uma competição tão acirrada, cada um age como um “tubarão” e as águas se tornam sangrentas e reduzem-se as expectativas de lucros e crescimento. Já os oceanos azuis, em contraste, denotam todos os setores não existentes hoje – é o espaço de mercado desconhecido, intocado pela competição. Em vez de retalhar a demanda existente, a estratégia do oceano azul visa criar demanda e valer-se das amplas oportunidades de crescimento rápido e lucrativo.

Tudo o que é preciso para entrar no oceano azul é identificar uma possível demanda e criá-la, em vez de disputá-la com a concorrência. Mas Renné explicou que a situação para as economias dos países estão numa forte maré de oceanos vermelhos. Toda a crise nos Estados Unidos, a valorização do Euro e a competição dos mercados da Europa ocidental com os da oriental e uma busca dos chineses por algo mais a oferecer do que preço, são alguns exemplos.

“Para as empresas daqui do Brasil e de outros lugares do mundo, eu peço que se façam as seguintes perguntas: como vamos criar novas marcas globais? Elas terão baixo custo? Conseguirão competir com os preços de outros lugares? É isso que deve ser a ambição dos CEOs”, disse. “A verdade é que o Oceano Azul ocorre para aquele que olha a mesma coisa que seus concorrentes, mas enxerga diferente”.


Fonte: Portal HSM On-line
0