A magia dos grandes estrategistas

A escolha de Carlos Alberto Júlio para encerrar o Fórum Mundial de Estratégia da HSM não poderia ter sido mais feliz. Com o traquejo peculiar de quem tem vasta experiência como professor, o autor de A Arte da Estratégia: pense grande, comece pequeno e cresça rápido! amarrou, com bom humor e leveza, o conteúdo apresentado pelos palestrantes anteriores. Acrescentou, ainda, a sua visão sobre estratégia, fruto de sua vivência acadêmica e empresarial.

Antes mesmo que Carlos Júlio dirigisse qualquer palavra à audiência, ela se viu diante de uma cena dramática, cuja tensão girava em torno da questão “Matar ou não matar o próprio pai para salvar a própria vida e a da sua irmã?”. Tratava-se de um trecho do filme Limite Vertical (Martin Campbell, 2000), no qual um acidente com uma família de alpinistas leva um dos filhos a tomar, rapidamente, a decisão extrema. O filme é interrompido e a pergunta que o palestrante, então, faz à platéia é “Quem aqui cortaria a corda que liberaria os demais do peso representado pelo pai?”

Pouquíssimos se arriscam a responder. “E quem não cortaria?” Novamente, a maioria se absteve de responder. Afinal, essa é uma daquelas situações que só conhecemos quando as vivemos. Incitar a audiência a pensar em uma situação-limite foi o recurso que o palestrante utilizou para levá-la a refletir sobre a importância da tomada de decisão. “Não há boa gestão sem decisões e é a sua capacidade de tomar decisões que fará (ou não) uma boa gestão. Muitas vezes, uma má decisão é melhor do que nenhuma decisão”, disse Júlio aos executivos e empresários que compareceram ao Fórum.

Ele explicou que, apesar de não se depararem com dilemas tão radicais quanto o apresentado no filme, os tomadores de decisão vivem muitas situações dramáticas no dia-a-dia. “Não enxergamos a dramaticidade de algumas decisões, porque o resultado não vem na hora, não é tão imediato quanto o do filme”, ponderou o palestrante.

Se o tema é estratégia, um fato é inapelável: estratégia é tomada de decisão. Júlio recordou a lição que o brilhante Michael Porter havia dado horas antes: “Estratégia é tirar da frente o que você não quer. Estratégia diz respeito aos ‘nãos’, e não aos ‘sins’”.


Fonte: Portal HSM On-line
0