Pular para o conteúdo principal

Bons líderes devem ser seguros e transparentes

Na história da humanidade exemplos de grandes líderes não faltam, nas mais diversas áreas - seja na política, na religião, no meio estudantil, no seio familiar ou, claro, no meio corporativo. Hoje, mais do que nunca, as organizações buscam profissionais com caraterísticas de liderança para ocupar posições estratégicas.

Algumas pessoas têm essas aptidões naturalmente. Outras precisam desenvolvê-las. O fato é que o termo "chefe" está perdendo terreno. "Pessoas com esse perfil têm como lema obter resultados custe o que custar", indica Edson Rodriguez, especialista em gestão empresarial e diretor da Thomas International. "Tanto o chefe como o líder são capazes de trazer resultados. A diferença está no custo e na qualidade do produto final", assegura Rodrigues.

Segundo ele, uma equipe motivada produz de maneira coesa e eficiente, trabalhando de acordo com o estilo do seu gestor. Ao contrário do dito "chefe opressor". Neste caso, prossegue Rodriguez, os indivíduos trabalham contrariados, cometem erros, geram dispêndio de horas extras. "E, para piorar, transferem esta instabilidade para os clientes. No final das contas, a qualidade do trabalho é ruim e origina custos extras para a empresa", explica o consultor.Para Rodriguez, um líder positivo é aquele que transmite segurança, delega tarefas com clareza, não é centralizador e trabalha em conjunto com seu grupo. Como conseqüência dessa postura, a equipe atua em sinergia, transformando-a em qualidade e produtividade e criando um ambiente tranqüilo e saudável para se trabalhar.

O melhor de cada um
Na opinião do consultor, o líder não precisa ser necessariamente a estrela de sua área, mas precisa saber tirar o melhor de cada integrante do grupo. "Ele deve extrair o melhor de cada um, incentivar as iniciativas e estimular o bom relacionamento", afirma Rodriguez. "Um líder nato é descobridor e formador de talentos. Permite que as pessoas da sua equipe se sobressaiam e brilhem. Sendo assim o grupo estará sempre em evidência dentro da empresa", acrescenta.

As empresas, muitas vezes, estão tão focadas obter resultados que não se atentam aos seus próprios colaboradores. Assim, mesmo as áreas de gestão e recursos humanos não conseguem identificar profissionais com perfil de liderança.

Neste sentido, é papel do gestor descobrir talentos. Afinal, é ele quem está no dia-a-dia junto com sua equipe e conhece quem são seus pares. Assim , caso identifique dentro do grupo alguém com características de liderança, deve estimular cada vez mais estas habilidades. "O líder não precisa ter receio da concorrência", adverte Rodriguez. "Estimular, incentivar e treinar um integrante da equipe para talvez substituí-lo é uma prática que deveria ser seguida. O que poucas pessoas sabem é de que, fazendo isso, todos ganham: a empresa e seus funcionários."

O consultor diz que promover alguém que conhece a área é uma prática a ser seguida pelas companhias. "O líder, assim, partirá para novos desafios e agregará benefícios a sua carreira", afirma.

Nem todas as pessoas, porém, têm características de liderança, mesmo quando treinadas nesse sentido. Cargos como gerente, diretor e presidente dão status e são cobiçados. Mas os executivos precisam ter cautela. Forçar uma promoção a algum cargo para o qual não se tenha aptidão pode ser desastroso na carreira e, pior, repercutir negativamente também na vida pessoal. Caso perceba que não tem perfil de liderança, o profissional não deve se abater ou recriminar. Se insistir, provavelmente se tornará um chefe opressor, que confunde liderança com tirania. E esse estilo, definitivamente, é o mais detestado por qualquer equipe.


Fonte: Por Márcia Maria da Silva, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …