Pular para o conteúdo principal

Como a logística trabalha para êxito dos Jogos na China

Só com os atletas, os Jogos que começam hoje em Pequim não se realizariam. Para o êxito do maior evento esportivo do mundo, muitos dos equipamentos utilizados em diversas modalidades tiveram de cruzar o globo para chegar à China. Uma das maiores movimentações logísticas da atualidade coube à globalsportsevents, divisão da DB Schenker.. A empresa alemã, com atuação também no Brasil, cuida da operação que envolve 10 mil atletas de 200 países das Olimpíadas e jogos Paraolímpicos de Pequim.

Nada pode dar errado - sob pena de a medalha ser perdida antes mesmo de a competição ser iniciada. "Já imaginou a responsabilidade por algum atleta abandonar uma competição porque seu equipamento se perdeu?", questiona o presidente da DB Shenker no Brasil, Eric Brenner. "O serviço exige alto profissionalismo; não existe erro."

Em relação à participação brasileira, a DB Schenker firmou parceria com as confederação de Vela para o transporte dos equipamentos dos atletas. Para o Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o trabalho consistiu no transporte e na logística dos materiais que serão utilizados pela delegação brasileira na Vila Olímpica e na Casa Brasil, espaço de convivência montado pelo COB e pelo governo federal para divulgação do país durante os Jogos Olímpicos.

A empresa também lida com a documentação, fiscalização entre as alfândegas chinesa e a brasileira. "O esportista deposita grande expectativa tanto no envio quanto no recebimento dos equipamentos em perfeitas condições, pois isso representa a esperança de vitórias nas competições", destaca a gerente da divisão globalsportsevents (GSE) da DB Schenker, Adriana Grechi.

"Uma das principais características do trabalho nas Olimpíadas é o cuidado diferenciado com cada embarque, pois cada carga tem "dono, nome e rosto." Funcionários bem treinados acompanham cada passo do material em portos, aeroportos, aduanas e postos alfandegários até chegar às mãos dos atletas.

O trabalho da DB Schenker para os Jogos Olímpicos de Pequim envolveu o transporte marítimo de 1,5 mil TEUs (contêineres de 20 pés); carregamento aéreo de 2,5 mil toneladas de carga provenientes de países de todo o mundo para a China. A empresa mobilizou 900 funcionários - de diversos países - trabalhando em tempo integral, além de 20 especialistas em eventos internacionais. A língua para facilitar o entendimento é o inglês.

Na China, conta com 16 mil metros quadrados de área de área coberta para armazenagem de equipamentos e 10 mil metros quadrados de área a céu aberto para estocagem de contêineres. O suporte logístico contou com filiais operando em 155 países.
O presidente da DB Shenker no Brasil não revela o montante gasto na logística do evento. "Os balanços ainda não estão fechados e seria prematuro dar um valor agora", afirmou. Brenner disse, no entanto, que o custo é bem mais alto que uma mercadoria comum, pois o transporte de material esportivo envolve alta complexidade.

Além dos jogos de Pequim, a DB Shenker participou de grandes competições esportivas internacionais. Começou com as Olimpíadas de Munique, ao ser selecionada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI). Participou, em 2000, dos Jogos Olímpicos de Sidney. Desde então, a DB Schenker foi a responsável pela logística pelas Olimpíadas de Atenas (2004), Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Inverno em Salt Lake City (2002) e Torino (2006). Os jogos Pan-Americanos do Rio e última Copa da Alemanha também teve participação da DB Shenker.


Fonte: Por Wagner Oliveira, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 2
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …