Pular para o conteúdo principal

A Estratégia e a Responsabilidade Social

Por sua notoriedade e sua efetiva contribuição ao mundo da gestão, Michael Porter era aguardado com ansiedade pelo público que compareceu ao segundo dia do Fórum Mundial de Estratégia da HSM. O professor da Harvard Business School compartilhou com os presentes o seu pensamento a respeito da conexão das ações de responsabilidade social com a estratégia das empresas. Para o Mestre da Estratégia, os gestores têm tido dificuldades em fazer as melhores escolhas no campo da Responsabilidade Social Corporativa (RSC), pois se sentem compelidos a ceder às pressões que, muitas vezes, não levam a ganhos reais para a sociedade e para a organização.

No campo da RSC, as pressões sobre os executivos crescem em variedade e quantidade. Os decisores sentem-se confusos em relação à definição de seu programa para a área social e, com freqüência, desviam-se de suas atividades principais ao deixar-se levar pelas reivindicações de grupos sociais. “Nenhuma empresa conseguiria resolver todos os problemas do mundo. Portanto, o desafio é selecionar as áreas em que a sua empresa poderia criar valor compartilhado”, adianta Porter.

Ao começar a elucidar seu ponto, Porter lembrou aos presentes que a função de responsabilidade social das empresas passou por uma fase “de guerra”, na qual os ativistas sociais exerciam intensa pressão sobre as empresas que, por sua vez, tentavam atrasar essas demandas. Com o tempo, as empresas começaram a tentar diminuir a briga por poder. Cresceu a ênfase sobre o assistencialismo e a caridade, principalmente motivada pelo cuidado com a imagem das empresas. Esta é a fase atual, segundo o professor.

“No entanto, percebo que não estamos obtendo resultados muito bons. Há muito esforço e muito dinheiro sendo investido, mas o impacto da RSC ainda é limitado”, disse Porter. Para ele, muitos gerentes já questionam o valor do que estão fazendo. A base intelectual da RSC, contudo, ainda é precária e não há um mapa que oriente os gestores.

Na visão do consultor, as empresas brasileiras têm percepção social bastante forte, provavelmente mais do que as americanas, mas há um longo caminho a percorrer.


Fonte: Portal HSM On-line
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …