Pular para o conteúdo principal

Experiências a oferecer

É uma tendência crescente a utilização de ferramentas de comunicação e Marketing que vão além das mídias tradicionais. O que essa nova tendência aponta é o desejo dos consumidores em viver experiências novas com os produtos e as marcas que eles conhecem há tanto tempo – ou com as desconhecidas. Não há mais uma relação direta propaganda-compra ou propaganda-identificação com a marca. A publicidade se alia a essas ferramentas non-media para extrapolar o comercial e fazer a mensagem dos 30 segundos perdurar na mente do consumidor.

O Marketing de experiências surge para atender a essa demanda dos consumidores por novas vivências e dos anunciantes por uma nova comunicação para suas marcas. Já vemos alguns anunciantes requisitando esse tipo de serviço e algumas agências executando-os muito bem. Mas, excetuando-se alguns casos, o leque parece estar um tanto restrito na realidade brasileira.

Não faltam bons exemplos de ações de guerrilha e de Marketing promocional sendo executadas no Brasil de forma muito inteligente. E não há nada de errado nisso, essas são ferramentas extraordinárias na construção de buzz e de relacionamento com o público. Mas essas não são as únicas ferramentas capazes de oferecer ótimas experiências ao seu público.

Vejamos o caso do Absolut Ice Bar, em Londres. Trata-se de um bar com decoração, acessórios, mesas, cadeiras, copos, tudo feito de gelo. Para entrar no bar é necessário usar um casaco e luvas especiais, pois a temperatura lá dentro é bem baixa. Em compensação, o impacto gerado em seus visitantes é altíssimo por se tratar de uma experiência única. Tão única que o bar virou não só referência em estudos de cases de Marketing, mas também pauta em várias matérias jornalísticas e programas de TV – do Brasil inclusive.

Outro exemplo é o Sovhotell (hotel para dormir) que a rede de móveis Ikea montou em um shopping center de Estocolmo. Consistia em um stand onde os visitantes, após escolherem o travesseiro apropriado para a forma como costumam dormir (de bruços, de costas ou de lado), podiam tirar uma soneca de 15 minutos em uma das camas do stand, devidamente paramentados com uma máscara de dormir e headphones com sons relaxantes. É uma interessante aplicação do conceito de tryvertising: divulgar e promover marcas e produtos através de ações de experimentação.

Esse tipo de ambientação ou mesmo eventos patrocinados ou proprietários de uma marca obviamente pedem um investimento maior, mas também geram um impacto maior em seus participantes. E, muitas vezes, eles nem apresentam nenhum tipo de apelo de venda, pelo menos não imediata. Contudo geram uma vivência única para o visitante, que se converterá em um consumidor mais envolvido com a marca, fazendo-o lembrar aquela experiência da próxima vez que for escolher sua bebida ou a loja onde comprará seus móveis.


Fonte: Por Tiago Sitônio - Sócio e Diretor de Criação Estratégica da Inusitada Marketing de Experiências, com a colaboração de Eric Eustáquio, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …