Pular para o conteúdo principal

Mensuração e avaliação do ROI

Já há algum tempo percebe-se a multidisciplinaridade tomando conta da teoria e da prática na Comunicação Social. Múltiplos saberes precisam ser articulados para dar cabo das demandas por informação e relacionamento de vários públicos de interesse. Não diferente é com os ramos da Economia, da Matemática e da Estatística ­ eles vêm literalmente invadindo as análises de cenário e os planejamentos de relações públicas, jornalistas e publicitários. Este foi o tema central de discussões do III Fórum Internacional ABA ROI, realizado em São Paulo nos dias 5 e 6 de agosto de 2008, organizado pela Associação Brasileira de Anunciantes.

O presidente do ROI Institute, Jack Phillips, mostrou como funciona sua metodologia, implantada em 51 países. Segundo ele, trata-se de um processo abrangente de mensuração e avaliação para ser utilizado não apenas como ferramenta de diagnóstico, mas principalmente na melhoria contínua. Consiste no levantamento e análise de dados desde o início da adoção do projeto, em cinco níveis distintos de ação, fornecendo respostas durante todo o processo. Ao final, o resultado é conhecido, os benefícios intangíveis são externados e os benefícios tangíveis convertidos em valores monetários. O método mais comum de análise é a estimativa de impacto feita pelo próprio público atingido. “Normalmente, é a fonte de maior credibilidade. Cerca de 52% dos estudos baseiam-se neles”, aponta. A idéia é analisar os efeitos na compra final derivados dos vendedores que passaram por uma convenção de vendas, dos cidadãos que viram uma campanha publicitária, e mesmo da geração de dados pelo sistema informatizado da organização e de outras fontes de cada etapa.

Os níveis de foco de mensuração são reação, aprendizado, aplicação, impacto e ROI. Como exemplos de processos a serem medidos na primeira etapa estão o número de audiência dos canais utilizados, os hits de um website, as requisitações e atendimentos e o tempo de entrega da promessa. Na parte da reação e ação planejada, foca-se na relevância, importância, emoção, concretude, adequação, intenção de uso. Quando chega em aprendizagem, é o momento de pensar em conhecimento, compreensão, confiança, percepção. A especialização da mensuração aumenta na fase de aplicação, quando Phillips indica observar o uso da informação e do conhecimento, as ações completadas, para então chegar no impacto no negócio em produtividade, qualidade, eficiência, engajamento, retenção e vendas.

O especialista reconhece que alguns dados não podem ser convertidos em dinheiro (imagem, por exemplo), e são classificados como intangíveis, todavia muita coisa já pode ser mensurada, até mesmo satisfação. Segundo ele, o segredo é saber isolar os efeitos de um projeto ou campanha de comunicação e marketing sobre a decisão de compra da pessoa impactada. Há sempre vários fatores intervenientes. Ele desenvolveu um sistema com elementos básicos, como valor percebido da comunicação (experiência, estímulo, conteúdo, ambiência), aprendizado sobre o conteúdo transmitido, rastreamento das ações tomadas, do uso feito da informação, medição de impacto e ROI ­ conversão em dinheiro. Quanto a responsabilidades pela tarefa, nas grandes organizações há um setor de avaliações e métricas, e nas demais há contratação de terceiros ou uma atribuição adicional para o Marketing. “Mas coleta e análise de dados correntes é função de todos”, enfatiza, porque são passos que devem estar embutidos nas etapas de planejamento, criação e execução das ações, de maneira natural e automática.

PATROCÍNIO - O consultor de negócios da Petrobras, Ricardo Whately, dividiu o palco com o diretor geral da BrandAnalytics, Eduardo Tomiya. A idéia foi mostrar em detalhes um case de ROI aplicado a patrocínio esportivo, do vínculo da empresa com a Fórmula 1 ­ ela e demais categorias, além da moto-velocidade, são um campo de testes de produto e tecnologia, mas também uma oportunidade de comunicação junto a vários públicos de diferentes países. As parcerias vão bem além da exposição de marca, incluindo mesmo experiências como o biodiesel e outros interesses na área de combustíveis e energia. De toda maneira, é uma comunicação qualificada e de alta repercussão, contribuindo para o conhecimento de marca no exterior e para a estratégia de internacionalização. “Acaba facilitando a entrada em novos mercados, com um perfil de alta tecnologia”, explica Whately.

Segundo o consultor, tem mudado a percepção da qualidade de produto e de confiança na marca via os esforços de comunicação, vinculando a empresa com a Fórmula 1, apontado por pesquisa da revista Initiative Sports como o evento mais visto na televisão em 2007, ultrapassando até mesmo o Super Bowl. E, no caso da Petrobras, não é somente patrocinar, há ainda manual de marca específico e uma série de vinculações. Houve um mapeamento dos públicos de cada tipo de produto, e como eles são afetados pelo patrocínio, tendo sido feito um estudo de marca entre conhecedores da Fórmula 1 e entre não-conhecedores, para justamente ter noção de impacto no valor da marca. “Estamos desconstruindo o processo de decisão de compra, fazendo uma análise de correlação de qualidade de produto, de atendimento, de localização, de comunicação e outros itens”, relata Tomiya.

Ele ressalta que a mensuração não está restrita à ativação de vendas e inclui a influência na imagem, por isto que o Brand Valution é uma área que unifica a linguagem de negócio entre comunicação, marketing, relações com investidores e financeiro. É um novo tempo da economia do valor, sempre lembrando que tudo gera percepção, e a comunicação é um dos vários pontos de contato. Daí que tudo precisa ser monitorado e avaliado. Cerca de 37% da influência na compra é hoje atribuído à marca, o que faz ele não hesitar em dizer que hoje o relacionamento com stakeholders tem mais impacto que o patrimônio líquido da empresa.

PAY-BACK -­ A lógica no mercado de marketing direto é a definição do número de respostas desejado para chegar ao custo permissível. Para tanto, se utiliza canais de resposta imediata e dentro de processos de mensurabilidade. Isto está no DNA da técnica, incluindo custo por pedido, cálculo de investimento previsto e vendas reais e vários indicadores digitais, tudo dependendo dos canais utilizados. Esta foi a premissa principal de Sérgio Alves, diretor geral da OgilvyOne Consulting, no início da tarde do dia 5.

O Marketing Direto trabalha o ROI o tempo todo, com o valor do cliente projetado no tempo e ainda o ponto de equilíbrio. Tudo ajuda a determinar o “pay-back” do projeto, seu retorno desejado mínimo para dar segurança à deflagração e ajudar a monitorar resultados. Este tipo de abordagem permite maior conhecimento sobre segmentos e suas peculiaridades, definindo movimentos e sazonalidades com total personalização. A estratégia geral é seguir uma seqüência lógica que permite mapear a jornada do prospect, segundo seu estado mental, indo de desconhecimento à lealdade com diferentes abordagens. “A intenção sempre é que ele faça a primeira compra e se mantenha junto da empresa com um lifetime longo”, explica Alves, para o que diz haver três pilares ­ recrutar, conhecer e converter. Na Nextel, base do case apresentado, o hotsite www.queronextel.com.br vem sendo o canal principal de interface e respostas, sendo o usuário inicial apenas um visitante anônimo, e nas fases seguintes mudando a profundidade até chegar a um completo perfil cadastral. De toda maneira, precisa ser um espaço amplamente customizado, com linguagem e seções sem complicação.

INTANGÍVEL -­ Os ativos intangíveis influenciam o valor de mercado das empresas. O valor tangível correspondente a 34% do valor global da empresa, ficando 66% para os intangíveis, segundo o Brand Finance Global Intangible Tracker em estudos desde 2001 para a realidade dos EUA e Europa. Este percentual chega a 95% na área de meios de comunicação e 92% em telecomunicações, embora baixe para 35% de prevalência do intangível no caso do ramo farmacêutico. Empresas como Amazon e AOL apresentam 98% para intangíveis. “Marcas fortes têm uma evolução do preço real de suas ações, numa relação direta”, manifesta o CEO da Brand Finance América do Sul, Gilson Nunes, na finalização do primeiro dia de palestras. Petrobras, Bradesco, Ambev, Banco do Brasil e Itaú estão nas cinco primeiras colocações das marcas fortes como publicou a Revista Época Negócios em agosto de 2008.

Apesar da importância que as marcas têm na vida das empresas, o gerenciamento delas não é bem realizado. Este processo de agregação de valor ao produto é tão complexo, que situações impressionantes acontecem no Brasil, como o preço da tonelada de minério de ferro exportada pelo país para a China (US$ 136) seja importada de lá na forma de trilhos (US$ 850). Para ele, “isto se deve ao foco de curto prazo, falta de diferenciação real e falta de medição”. Nunes apresentou o case da marca de tele-vendas Polishop, que, diante do seu enfraquecimento, revolucionou seu posicionamento escolhendo ofertar produtos realmente inovadores e exclusivos, comunicados de maneira envolvente e didática e investindo em pós-vendas. A consultoria definiu um grupo de medidas que seriam impactadas por ações (serviços, produto, comunicação, marketing, preço, treinamento, canal de venda), analisando atributos como qualidade, custo, benefício, responsabilidade social, ética, inovação e também comportamentos como lealdade, freqüência, uso, satisfação, familiaridade. Então, viu-se indicadores de performance, como marketing share, taxa de crescimento, retenção de clientes, ticket médio, para finalizar com a parte financeira do ROI.


Fonte: Por Rodrigo Cogo ­- Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …