Pular para o conteúdo principal

Yahoo! usa eclipse para marcar novo posicionamento

O Yahoo! Brasil estará de cara nova a partir deste sábado, com novo posicionamento, perfil editorial e produtos. E o principal garoto-propaganda da nova fase do site é nada menos que Jerry Yang (co-fundador do Yahoo! em 1994), principal executivo da companhia, que participa da campanha de promoção num vídeo postado no hotsite eclipse.yahoo.com.br, no qual ele chega a falar português e simular um eclipse.

O Yahoo! escolheu o sábado para a mudança por ser o dia em que acontecerá um eclipse parcial da lua (símbolo de transformações), para chamar a atenção dos internautas. O mote da campanha viral é que o fenômeno será promovido pela empresa, que convocou ainda o astronauta Marcos Pontes e o cineasta Zé do Caixão para a campanha, focada na internet e que no primeiro dia no ar recebeu mais de 100 mil acessos.

O novo posicionamento chega um ano depois da posse de Yang - conhecido por ter uma visão mais global - como principal executivo e seis meses depois da tentativa de compra da empresa pela Microsoft, em uma jogada da companhia fundada por Bill Gates para competir com o Google, que ofereceu US$ 44,6 bilhões para a aquisição. "A negociação não teve nenhum efeito para a operação brasileira, só a angústia da indefinição", diz Guilherme Ribenboim, presidente do Yahoo Brasil!.

Segundo ele, a empresa busca um posicionamento mais ousado e irreverente, e também se diferenciar dos sites de mídia tradicionais, como iG, Terra e UOL. "Há quatro ou cinco anos o site foi para o caminho da mídia tradicional e esqueceu que a internet é um meio muito novo e que nasceu como uma ferramenta de serviços", diz.

A mudança do conteúdo editorial visa tornar o site mais humano, divertido, jovem, irreverente e voltado ao entretenimento e multimídia, destaca o diretor de produtos, Fabio Boucinhas.

Umas das ações será abrir o site para conteúdo de terceiros, seja blogs ou sites concorrentes. "O site será aberto, não teremos restrições em relação ao conteúdo". Caso não tenha uma notícia, o Yahoo! terá um link para os concorrentes. "Queremos ser um espécie de curador na internet", diz Ribenboim. O objetivo é atingir um público mais jovem e que o Yahoo! vire o ponto de partida para os usuários de internet.

O portal vai e lançar um produto por mês até o fim do ano. O primeiro foi o Yahoo! Posts (com conteúdo de blogs brasileiros), e o próximo, em setembro, será um site de músicas (Yahoo! Music) , com blogs e videoclipes das "maiores gravadoras do mercado". No mesmo mês, a empresa lança um site de futebol, com bate-papo e tom de provocação entre os torcedores. Em novembro lança um site de perfis, que irá unificar os demais perfis oferecidos pelo Yahoo! (messenger, respostas, flicker, grupos e-mail). Em novembro e dezembro serão mais dois lançamentos.

A cor roxa, hoje restrita ao ambiente interno, vai ganhar destaque no site, que terá duas versões, uma durante o dia e outra para a noite. A página terá mais fotos e vídeos e selecionará melhor as notícias, para tornar o visual menos poluído. "O roxo passa energia e tem uma visão de juventude e ousadia", diz Andre Izay, diretor-geral do Yahoo Search Marketing. A filial brasileira será a primeira a adotar o logo roxo no lugar do vermelho.


Fonte: Por Gustavo Viana, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 8
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …