Pular para o conteúdo principal

Black Label conta histórias da vida

Johnnie Walker está com novo posicionamento para o Black Label. Em 2008, o conceito era "Black Label Unseen" (nunca visto), que destacava o estilo de vida e cenas da cidade não conhecidas por todo mundo, apenas por consumidores premium. Para expressar a idéia, a marca tinha realizado um jantar às escuras com convidados e cinema nas alturas (exibição de filme no alto de um edifício) em São Paulo.

Para este ano, as ações de publicidade e marketing para toda a América Latina trazem o conceito "Você é uma composição única. Johnnie Walker Black Label também", destacando as semelhanças entre as etapas da fabricação do uísque e as fases de crescimento na vida de cada um. "Ao longo da vida, as referências de status mudam. Aos 18 anos é o primeiro emprego. Na idade adulta você aspira outras coisas. E o Black Label exemplifica essa evolução", afirma o gerente de marketing da Diageo, Marcello Ursini.

As ações criadas para comparar as fases de fabricação da bebida e o amadurecimento do consumidor incluem convites a grupos de consumidores para aulas sobre o uísque em dois restaurantes de São Paulo. Os eventos já somam 700 convidados. Nos próximos meses, a marca pretende realizar esses encontros também na casa de pessoas que tenham histórias para contar por meio de vídeos sobre suas trajetórias.

Na internet, a Wunderman desenvolveu a versão virtual desses encontros. No portal Black Label, o consumidor navega pelo processo de produção, sabores e evolução da bebida. Experimenta também uma linha do tempo da marca, interagindo com a linha da vida pessoal por meio de questões personalizadas.

Ao final, é criado um vídeo com frases e flashes da história de vida do internauta, a partir das informações fornecidas por ele próprio durante a navegação. Com a campanha, a marca quer cadastrar 50 mil novos consumidores no clube virtual Keep Walking Club.

O site é divido em capítulos com participação de um narrador (história, produção, regiões da Escócia e aromas, composição única) e traz informações sobre a marca. O consumidor descobre, por exemplo, que o "striding man" (homem caminhando a passos largos) foi criado em 1908.

A Wunderman utilizou em 2008 um site com vídeo para interação do consumidor com a marca, na ação Piloto da Vez (que incentiva as pessoas a oferecerem carona para quem bebe). "Com o vídeo, o internauta pode acompanhar o conteúdo de uma forma contínua, linear, para aprender os segredos únicos da história e dos blends de Black Label sem se dispersar com links periféricos, que só aparecem no final da experiência", conta o vice-presidente da Wunderman, Eco Moliterno.


Fonte: Por Sandra Silva, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …