Pular para o conteúdo principal

Crise econômica? A receita é mais comunicação

Na crise é preciso somar esforços para sustentar os negócios e impulsionar as vendas. É um momento em que o consumidor está mais inseguro e retraído. Os funcionários, desconfiados. Os concorrentes, mais agressivos. Os acionistas, ansiosos como nunca. A comunicação pode ajudar sua empresa a superar as dificuldades e a aproveitar as oportunidades em todas essas frentes.

É comum as empresas pensarem em investir em comunicação em tempos de prosperidade. No momento de crise, quando o foco passa a ser a agilidade para resolver os problemas no curto prazo, a comunicação às vezes é ignorada. Pior, deixa de ser vista como fator estratégico e passa à condição de ferramenta descartável. É um sério equivoco. Uma boa parcela da solução para os problemas que sua empresa enfrenta está em utilizar a comunicação com planejamento e criatividade.

Todos nós sabemos que o custo para atingir o consumidor em tempos de crise precisa ser mais baixo do que em períodos mais confortáveis, quando o vento está soprando a favor. A hora da dificuldade é o momento de buscar novas alternativas, de desafiar sua agência de comunicação a apresentar boas soluções e bons resultados.

O primeiro ingrediente nessa receita é a informação. Informação para subsidiar um diagnóstico preciso, que oriente as decisões. É importante acompanhar os movimentos do mercado e compreender a percepção que os consumidores têm da empresa e também dos concorrentes. Para isso servem as pesquisas de imagem e de mercado, as análises do noticiário de imprensa e o monitoramento das manifestações dos consumidores na web. Para medir os resultados.

Um dos papéis da comunicação é ajudar você a conhecer melhor o consumidor e a estar próximo a ele. Descobrir como tomar decisões, avaliar como reage às suas mensagens, saber o que pensa sobre sua marca e seus produtos. Principalmente, ouvir o que ele tem a dizer e ajudar a empresa a responder com o respeito e a atenção que ele merece. Na crise, mais do que nunca, saber dialogar é uma vantagem competitiva.

Estabelecer uma conversação produtiva com seus públicos implica buscar alternativas aos investimentos na publicidade tradicional. Num momento de crise, outras ações podem compor um mix de comunicação mais abrangente e eficaz. Ações que mobilizem o consumidor e incentivem seu engajamento com a marca, como eventos, promoções concursos on-line, parceria com veículos de comunicação para a promoção de seminários ou a criação de publieditoriais, campanhas de links patrocinados, ações de viralização com foco nas mídias sociais da web. Não faltam formas criativas para abrir e consolidar canais de comunicação.

O cenário de incerteza na economia motiva decisões difíceis. O pior dos exemplos: demissão de funcionários e fechamento de unidades produtivas. Nesses momentos, a comunicação assume importância máxima. A empresa precisa se apoiar num processo cuidadoso de comunicação que, sem mascarar a realidade, consiga mitigar os impactos negativos gerados por esse tipo de decisão.

A imagem da empresa e a percepção que os consumidores têm dela por sua trajetória, suas ações e seu discurso pesam muito num momento de crise como o atual. Reduzir preços e fazer promoções nos pontos-de-venda podem ajudar, mas seus concorrentes, com certeza, já estão fazendo a mesma coisa. O que influencia a decisão de compra, principalmente em momentos de crise, não é apenas o preço. A imagem da empresa e a percepção que os consumidores têm dela por suas ações pelo seu discurso pesam tanto quanto as promoções em ponto-de-venda.

A briga pela atenção preferencial do consumidor é grande. A reputação da empresa pode ser decisiva na hora de criar um diferencial que influencie a decisão do compra. A balança vai pender para o lado das empresas que forem capaz de alcançar um nível mais alto de confiança na mente do consumidor. Quem contar com o capital da credibilidade poderá escapar, em grande medida, à carnificina da guerra de preços. A comunicação está aí para isso.


Fonte: Por João Rodarte - presidente da CDN Comunicação Corporativa, in Revista Consumidor Moderno
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …