Pular para o conteúdo principal

Merchandising inteligente gera visibilidade e vendas

O que Johnson & Johnson, Pfizer, Bayer, Alpargatas, Coca-Cola, 3M, Kimberly-Clark, Nissin, Perdigão, Novartis, Castrol, Reckitt Benckiser, Basf, Claro e Elegê têm em comum? Todos eles trabalham o ponto-de-venda como prioridade e, por isso, precisam de inteligência, pessoal especializado e resultados condizentes com os altos investimentos que fazem em diversos pontos de contato com o consumidor e no desenvolvimento de seus produtos.

Enquanto ainda há quem receba informações em excel com defasagem de 30 dias, algumas destas empresas sabem exatamente o que se passa em cada ponto-de-venda em que o seu produto está sendo vendido em todo o Brasil. Isto porque elas contam com uma agência chamada Compart, nascida no Rio Grande Sul há 14 anos e que hoje é uma das grandes parceiras na hora de vender.

Um dos grandes diferenciais da empresa comandada por Simone Marques é um sistema proprietário customizado para cada cliente. Ele mostra, em tempo real, via internet, quantas Havaianas têm em cada uma das 3.761 lojas em que são vendidas as sandálias em todo o Brasil. Mostra fotos com a disposição do produto, o menor e o maior preço, se há ruptura, monitora o concorrente e ainda fez sugestão de pedido.

Posicionamento e Pessoas
Tudo isso só é possível porque a Compart conta com nada menos do que 1.400 funcionários que estão praticamente em todos os pontos-de-venda do Brasil todos os dias. Eles são os responsáveis pelo merchandising de cerca de 100 clientes. “Quando uma empresa nos contrata é porque ela quer estratégia, planejamento e foco. Fazemos um estudo mercadológico para saber onde posicionar o produto e onde terá mais giro de venda”, afirma Simone em entrevista ao Mundo do Marketing.

Uma equipe de promotores que visita todos os pontos-de-venda de Havaianas no Brasil é responsável por toda a parte visual e pelos displays que vendem as sandálias. Os promotores fazem até sugestão de pedido em farmácias. Há duas equipes: uma que trabalha em supermercados e grandes redes e outra em médios e pequenos varejistas.

Para a Kimberly-Clark, por exemplo, o trabalho também é grande. A Compart faz desde a criação do material de merchandising até o monitoramento de seus produtos no ponto-de-venda, passando pelo treinamento do pessoal. Só em um projeto para Redecard foram visitados mais de 150 mil PDVs. Para a Souza Cruz, a empresa subiu até no morro e depois de seis anos de projeto a multinacional contratou os funcionários que eram da Compart.

História de sucesso
Um dos grandes trunfos desta operação são as pessoas aliadas à inteligência. “Somos uma agência especializada em merchandising e Marketing Promocional. Não ofereço um promotor. Vendo um pacote de serviços de merchandising para aumentar a visibilidade da marca e aumentar o giro do produto no ponto-de-venda. Consigo aumentar as vendas com uma equipe própria, que tem treinamento, campanhas de incentivo e de logística com um depósito próprio de 2 mil m²”, explica Simone.

Depois de criar a Compart aos 18 anos, Simone quer ainda mais. Assim como a agência é capaz de aumentar as vendas de seus clientes, ela também multiplica o seu tamanho dia após dia. “Comecei em Cachoeirinha, fui para Porto Alegre, depois Florianópolis, Curitiba e nos tornamos líderes no Sul”, relembra Simone. Lá, a agência trabalhou com grandes clientes como Pepsi, Sadia e Souza Cruz criando e executando campanhas promocionais.

E, depois de muito relutar em ir para São Paulo, Simone foi convencida por muitos de seus clientes que praticamente exigiram a sua mudança para a capital. “Nestes quatro anos crescemos 400% e o que era para ser uma filial se tornou em matriz com a conquista de grandes contas nacionais, como Johnson & Johnson, Pfizer, Bayer, Net e Alpargatas”, conta a sócia-diretora da agência que quando chegou em São Paulo se instalou numa sala de 50m². Bem diferente dos atuais mil metros quadrados da nova sede da agência e da meta de abrir uma filial em Nova York, de onde já tem até convite de sócios.


Fonte: Por Bruno Mello, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …