Pular para o conteúdo principal

Para não dizer amém

Já virou clichê dizer que toda crise é uma oportunidade. Mas no caso da área de comunicação, a crise, não exatamente esta que vivemos hoje, mas qualquer turbulência sem maiores consequências, se transformou mesmo numa boa desculpa para não se enxergar um pouco além dos nossos narizes.

A era do 'tudo para ontem' vem embotando a criatividade dos profissionais de comunicação, inclusive os mais capacitados, que se esmeram em responder a alarmes falsos e a apagar incêndios forjados pelos executivos das grandes corporações. Na maioria dos casos, as crises que eles propalam não passam de espasmos. Na ânsia de acertar, atiram para todos os lados em busca de respostas - ou de culpados - para os prejuízos dos acionistas.

Uma navegada de alguns minutos pela internet é um indicativo da paralisia que toma conta dos profissionais de comunicação. Excetuando os sites de negócios - e os noticiosos, vá lá -, dificilmente encontraremos uma página atualizada naquele dia, ou com muito boa vontade, no dia anterior.

Desculpas não faltam. E a mais comum é a de que não temos recursos avançados em Tecnologia da Informação. Conversa fiada. Há anos apertamos a tecla "enter" para confirmar o voto no candidato de nossa preferência. Há sete, oito anos, ouvi um conceituado jornalista brasileiro perguntar a um executivo francês o que ele, um profissional egresso do primeiro mundo, achava da informática brasileira. Na certa, o jornalista esperava uma resposta na linha de que o atraso em TI impedia que o Brasil fosse competitivo em outras áreas. Só que a resposta surpreendeu. Começou assim: "Há quanto tempo vocês fazem declaração de renda pela internet no Brasil?", perguntou, já respondendo. "Pois é", continuou, "no próximo ano eu farei parte de uma pequena e privilegiada amostra de franceses que testará o processo eletrônico no nosso país".

O fato é que dispomos de uma extraordinária infraestrutura de TI, mas não sabemos usá-la a nosso favor. Não só para produzir sites, mas também rádios e TVs, aproveitando as facilidades, incluindo os custos baixos, oferecidas pela internet. Ah, nestes tempos bicudos não existe verba. Já ouvimos isso nas décadas de 1970, de 1980, de 1990, no início do século 21 e certamente a desculpa será dada até quando soarem as trombetas do Apocalipse.

Culpar a crise, o Brasil e a falta de recursos não levará a comunicação a lugar algum. Pode parecer óbvio - e como ainda se recusam a enxergá-lo! -, mas a hora é de arregaçar as mangas. Infelizmente, há muita gente importante no meio empresarial que ainda não se convenceu de que comunicação é estratégica e contribui para os resultados do negócio. Afinal, para que serve a comunicação? Só para dizer amém?


Fonte: Por Marcos Marçal e Ana Amélia Gouvea, in www.aberje.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …