Pular para o conteúdo principal

A sustentabilidade, segundo especialistas internacionais

Seis em cada 10 especialistas em sustentabilidade acreditam que o conceito tem influenciado de modo crescente as decisões de mercado em seus países. Essa é uma das conclusões extraídas da Survey of Sustainability Experts, recente pesquisa feita pelo Instituto GlobeScan com 353 especialistas de países dos cinco continentes que integram a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A experiência dos participantes no mercado de sustentabilidade (76% trabalham há mais de 10 anos com o tema), assim como a diversidade setorial dos participantes – empresas, governos, ONGs, acadêmicos e consultores – conferem ao estudo clara consistência e a possibilidade de comparar pontos de vista diferentes. Entre os respondentes, os executivos (67%) são os que mais consideram a sustentabilidade como uma ideia cada vez mais importante na hora de fazer transações comerciais, seguidos por consultores (57%) e acadêmicos (56%). Governos e ONGs (48%) se mostram bem mais reticentes. Regionalmente, a Ásia é o continente onde mais se acredita na capacidade de influência do conceito sobre o mercado, talvez pelo fato de que no último ano China e Índia têm demonstrado maior interesse discuti-lo em suas estratégias, especialmente as relacionadas a mudanças climáticas. Europa (59%) e América do Norte (55%) vêm na sequência.

Como era de se esperar a crise mundial não ficou de fora do estudo. Quando perguntados, por exemplo, se e como a desaceleração econômica impactará os avanços na sustentabilidade, uma maioria de 67% espera repercussões negativas (53% prevêem reflexos parcialmente negativos e 14%, muito negativos.) Os governos estão entre os mais pessimistas. Para 26% dos respondentes, o quadro tende a piorar porque as empresas concentrarão investimentos na recuperação financeira em detrimento das iniciativas socioambientais. Cerca de 17% acreditam que o dinheiro aplicado em pesquisa e desenvolvimento de energias e modelos de negócio vai sumir da praça. Entre os que apostam na expansão do conceito após a crise, 34% afirmam que isso será possível porque a onda de consumo começará a diminuir, reduzindo assim a pressão sobre os bens naturais. Há um consenso de que a recessão induz à mudança na medida em que reduz o crescimento (30%), promove a revisão de modelos mentais (27%) e estimula inovações tecnológicas voltadas para a ecoeficiência.

O aquecimento global também ganhou capítulo especial na pesquisa. E nem poderia ser diferente. Dos considerados “grandes problemas ambientais”, que podem impactar a economia, a questão das mudanças climáticas é apontada por 71% dos entrevistados e a escassez de água por 69%.

Entre as abordagens mais eficazes para controlar as temidas mudanças climáticas, a grande maioria (79%) indicou, como primeira alternativa, a criação de taxas sobre as emissões de carbono. Houve consenso entre os especialistas de diferentes setores. Governos e acadêmicos se mostraram os mais convictos. Concessão de incentivos fiscais (56%), financiamento governamental para pesquisa em tecnologias verdes (52%) e comércio nacional e internacional de carbono (52%) também foram apontados como possíveis soluções. Quase sempre discordantes em muitos pontos de vista, especialistas de governos e universidades estão entre os que mais concordam sobre o potencial do investimento público em desenvolvimento de tecnologias limpas. Os de ONGs, por sua vez, incluem-se entre os mais céticos quanto a eficácia do comércio de emissões.

Os aparelhos econômicos (27%), as ciências e novas tecnologias (25%) foram apontados pelos especialistas como as abordagens mais eficientes para as mudanças climáticas. Aumento de regulamentação (19%), educação pública e persuasão (11%), e melhoria nas relações diplomáticas (7%) vieram em seguida.

Para saber que tecnologias específicas os especialistas consideram as mais eficientes no combate às mudanças climáticas, o GlobeScan apontou oito. Pela ordem de importância, as três mais referendadas foram a melhoria na eficiência energética (88%), o incentivo à conservação de energia (79%), fontes de energia renováveis (74%) foram as três abordagens mais apontadas pelos especialistas. No pé da lista com 18% de respostas, os biocombustíveis tiveram mais respostas entre os executivos de empresas.

O estudo da GlobeScan revelou ceticismo sobre o que poderá acontecer em Copenhague, no final deste ano, quando os líderes das nações se reúnem para discutir o acordo pós-Kyoto. Para 48% dos entrevistados, há pouco ou quase nenhum consenso nas soluções para as mudanças climáticas. Em comparação com o estudo de 2006, que abordou essa questão, especialistas de governos, ONGs e consultores estão mais pessimistas quanto a respostas consensuais para o desafio de reduzir o aquecimento do clima.

Indagados se crêem na possibilidade de um grande acordo internacional, eles se dividem entre os que acham pouco provável (37%) e os que acham provável (33%). Três em cada dez especialistas preferiram ficar em cima do muro.

No bloco dos mais otimistas, puxam a fila os governos. Entre os mais pessimistas, estão os líderes empresariais. Os especialistas da América do Norte são os mais animados com a possibilidade de um acordo de curto prazo. Sinal de que o discurso verde de Barak Obama está fazendo efeito.


Fonte: Por Ricardo Voltolini - publisher da revista Idéia Socioambiental e diretor de Idéia Sustentável: Estratégia e Conhecimento em sustentabilidade
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …