Pular para o conteúdo principal

Qualidade do atendimento em Call Center mostra falhas

De um lado a necessidade de conseguir um emprego que aceite o funcionário sem experiência de mercado. Do outro, a desconfiança e impaciência dos consumidores que recebem ligações diariamente e transformam o atendimento dos Call Centers em motivo de piada entre os amigos.

Recentemente a consultoria Conquist divulgou um estudo que mostra a baixa qualidade do atendimento ao cliente. Esta qualidade é cada vez menor nas chamadas e diminui ainda mais se levar em consideração as oportunidades que deixam de ser aproveitadas pelos operadores.

O mercado de Call Center é muito criticado por conta da falta de preparo dos atendentes, que levam o consumidor ao limite da paciência. O que precisa ser lembrado é que estes profissionais estão começando uma carreira, geralmente são jovens e não fazem nada além de obedecer a ordens de seus supervisores, afirma os especialistas ouvidos pelo Mundo do Marketing.

Despreparo, reclamações e insistência são rotina
O estudo feito pela Conquist mostra que “O cliente se sente satisfeito quando o atendimento é rápido e cordial”. O problema é que isto é raro. Com cada vez mais “estou transferindo sua ligação para o setor responsável” e mau humor ou sono no atendimento, os atendentes de Call Center mostram despreparo e falta de treinamento através de um simples tom de voz.

Já é comum o atendimento, principalmente por telefone, receber reclamações sobre a forma e o preparo – ou a falta dele – dos atendentes na hora de resolver problemas simples. “O consumidor se sente incomodado com o empurra-empurra que existe em qualquer tipo de atendimento. Principalmente porque na maioria dos casos ele não quer atender um telefonema”, conta Paulo Lot Jr, consultor em comportamento, desenvolvimento organizacional e professor da PUC Campinas.

Um dos graves problemas detectados pelo consultor é a insistência dos atendentes em oferecer produtos ou serviços fora do perfil do consumidor, o que gera perturbação no atendimento. “A ‘Empurroterapia’ irrita o consumidor e isso faz com que ele se afaste e reclame da empresa para todos”, acredita Lot Jr.

Entender antes de resolver
Uma das melhorias que pode iniciar um processo de adequação do atendimento às necessidades do consumidor é através da segmentação dos serviços, resolver ou simplificar o problema do cliente e evitar “ler” o script durante a ligação.

A “padronização” dos serviços de Call Center serve para que as empresas deste setor percebam que é preciso buscar a diferenciação para ter destaque. “Hoje o cliente é mais exigente em aspectos técnicos e a empresa deve ter funcionários preparados para entregar o que ele espera”, ressalta o professor da PUC Campinas.

Identificar o que oferecer, como e o que falar para o consumidor que está do outro lado da linha é um desafio para os jovens e inexperientes colaboradores de Call Centers. Um dos fatores que os atrapalham na hora de identificar as reais necessidades do cliente é o atendimento primário, focada apenas no que está escrito ou no que o cliente está dizendo – ou reclamando.

Capacitação primária e inadequada
Em 1/3 das chamadas os agentes não conseguem perceber uma oportunidade de oferecer um produto ou serviço. Além disso, a central de atendimento deve gerar negócios e não apenas receber ligações e resolver problemas”, diz Roberto Madruga, presidente da Conquist, empresa que desenvolve projetos customizados de consultoria, treinamento e pesquisas.

Se atualmente criar oportunidades em ligações é um desafio para as empresas de Call Center, é evidente a necessidade de profissionais mais bem preparados e novas ferramentas. “Algumas pessoas que trabalham neste setor são mal-formadas, os treinadores às vezes não são experientes neste trabalho e, por isso, a qualidade fica comprometida, ainda mais porque a capacitação deles é primária”, avalia Madruga em entrevista ao site.

Uma das formas de diminuir a perda de oportunidades em ligações é a capacitação dos operadores. “É comum encontrar gestores e gerentes que são capacitados em administrar o seu pessoal. Mas, de alguma forma não são capacitados para liderar”, conta o presidente da Conquist.

Não só no início de uma carreira, mas em diversos momentos de uma vida profissional, o funcionário se espelha no seu superior. Ainda mais quando os colaboradores são jovens e entram no mercado de trabalho pela primeira vez. “O líder é o inspirador destes jovens e o responsável pelo comportamento e o aprendizado deles. É preciso que este profissional esteja capacitado para ensiná-los”, acredita Madruga.

Adequação e percepção para atender
É cada vez mais claro que os consumidores que fazem ou recebem ligações de Call Centers não pretendem manter uma conversa com os atendentes. Salvo algumas exceções, o que se cobra realmente do atendente é o conhecimento sobre o produto ou serviços. “Existe falta de sensibilidade ao oferecer o que o cliente precisa. Em muitos casos os atendentes usam um canhão para matar um mosquito”, compara Paulo Lot Jr.

Se colocar no lugar do consumidor é uma sensibilidade necessária no atendimento por telefone. Sem esta percepção, é mais complicado notar uma oportunidade para se oferecer um produto ou serviço. “Em algumas empresas falta sensibilidade com relação a dimensão de problema. O atendente tem que estar preparado para lidar com situações diferentes”, afirma Paulo Lot.

O estudo da Conquist avaliou a qualidade de atendimento de cerca de quarenta grandes empresas do setor financeiro, TV por assinatura, Telecomunicações e do varejo. De acordo com o presidente da empresa responsável pela pesquisa, Roberto Madruga, em curto prazo somente um bom atendimento pode evitar o aumento das falhas apontadas. “O atendimento com completude evita outras chamadas. Percebemos que é preciso falar mais devagar com quem tem esta característica”. De acordo com ele os operadores com capacidades diferentes identificam onde está o problema.

Melhor salário não garante bom perfil
O salário médio de um operador pode variar de acordo com a empresa e o serviço e, segundo Madruga, aumentar o salário não será o remédio imediato para alcançar a melhoria no atendimento. “Não podemos misturar melhoria salarial com qualidade de atendimento. Não está provado que há uma melhoria neste sentido. É a gestão que define a qualidade do atendimento”, afirma Roberto Madruga.

O conselho que Madruga dá para a escolha de um bom operador é perceber as qualidades que ele oferece. “Tem que ser colaborador com “c” maiúsculo. Ter empatia, precisão, boa voz, conhecimento, cooperação, etc. Buscar este perfil nas seleções é melhor do que tentar modelar o profissional”, completa Madruga.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …