Pular para o conteúdo principal

Decroissants, scuppies e o desafio do consumo consciente no Brasil

Nunca se discutiu tanto novos modelos de consumo como nesses bicudos tempos de aquecimento global e potencial escassez de recursos naturais. Iniciativas de consumidores mais responsáveis surgem aos montes em todos os cantos do mundo.

No ano passado, ganhou corpo na França o movimento dos “decroissants”, uma espécie de neo-hippies, cujo lema de vida se baseia no “menos é mais”. Ambientalistas convictos, pouco materialistas, esses seguidores da filosofia do “decréscimo” alcançaram conforto econômico e hoje preferem bicicletas a automóveis, produtos orgânicos aos similares convencionais, e fundos de investimentos que financiam, por exemplo, cooperativas de comércio justo na África.

Agora, toma impulso nos Estados Unidos o movimento dos “scuppies”, termo cunhado a partir das iniciais de Socially Conscious Upwardly-Mobile Person – indivíduo emergente com consciência social. Nascidos do cruzamento dos hippies dos anos 1960 com os yuppies dos anos 1980, os scuppies compõem um segmento em alta entre os norte-americanos bem de vida, que procura conciliar as benesses materiais e as tendências da moda com um respeito radical às questões ambientais.

Como os decroissants, eles também querem salvar o planeta. Mas, ao contrário dos despojados franceses, em nome dessa bandeira não estão disposto a abrir mão do que consideram as boas coisas da vida. Os scuppies incluem-se entre os consumidores que mais demandam produtos e serviços verdes nos EUA. São os que mais compram carros de luxo, roupas, alimentos, casas e móveis ambientalmente responsáveis, sem, no entanto, dispensarem design sofisticado, elegância e refinamento. Usam camisas 100% orgânicas, canetas com tinta biodegradável, ecobags de grife, laptops com baixo consumo de energia, bolsas recicladas a partir de pneus e cosméticos com cadeia produtiva certificada. Eco-chiques, contestam os que enxergam contradição insuperável entre consumo de luxo e preservação ambiental.

Cada um a seu modo, decroissants e scuppies praticam o chamado consumo consciente, isto é, utilizam o seu poder de comprar –ou deixar de comprar—optando por alternativas mais sustentáveis. No primeiro, consciência é consumir menos. No segundo, consumir o mesmo, mas apenas produtos e serviços verdes. Entre os minimalistas franceses, a crença é que a felicidade não se resume ao âmbito do “ter”, mas ao do “ser.” Já entre os emergentes norte-americanos, cultiva-se a idéia de que é possível ter o melhor hoje sem carregar a culpa por prejudicar o direito das futuras gerações satisfazerem as suas necessidades.

Apesar de diferentes, e da oposição entre os valores que cultuam, esses dois grupos, compostos por consumidores bem informados, com alto nível de escolaridade e capacidade aquisitiva, convergem em um ponto importante: consumo é, para eles, um ato de poder que precisa ser exercido com base em ética altruísta, responsabilidade e engajamento. Caracteriza ambos os movimentos a adoção de um novo modelo de consumo em que boas intenções socioambientais se transformam em atitude, firme e pró-ativa.

É bem possível que, no Brasil, decroissants e scuppies já tenham os seus adeptos. No entanto, para que não se restrinja á uma minoria de consumidores classe A com alto nível de instrução, o movimento do consumo consciente terá de superar aqui algumas barreiras, entre as quais uma certa tendência à acomodação e à inércia. A pesquisa “Novo Consumo pela Sustentabilidade: os Brasileiros Diante das Mudanças Climáticas, da Market Analysis, oferece algumas pistas sobre esse quadro. Segundo o estudo, feito em 19 países, os brasileiros estão entre os mais alarmados com as mudanças climáticas no mundo. Três em cada quatro consumidores atribuem alta relevância á questão ambiental, incluindo o tema entre as suas três principais preocupações. Em contrapartida, os brasileiros (42% afirmam conhecer bem o tema) não se encontram no bloco dos mais bem informados, perdendo de longe para os ingleses (61%), norte-americanos (59%) e canadenses (56%).

Ainda segundo o documento, metade da população brasileira não se mostra disposta a abrir mão das benesses econômicas em nome de um modelo de desenvolvimento mais respeitoso ao meio ambiente. Os brasileiros estão ainda entre os mais acomodados em relação a mudanças em comportamentos para reduzir impactos no aquecimento global. Apenas um em cada seis pode ser classificado como consciente e efetivamente mobilizado. Os que tomam atitudes concretas limitam-se ao óbvio das pequenas ações de reciclagem, redução de consumo e descarte adequado de lixo, deixando de lado, ações engajadas como, por exemplo, fazer compras de baixo consumo de energia ou mobilizar outras pessoas. A hipótese do estudo é que a acomodação deve ser atribuída ao fato de que, na média mundial, o Brasil possui um ótimo desempenho ambiental, segundo o World Resources Institute. Quanto menos deteriorado é o ambiente local, menor tende a ser a percepção da necessidade de mudança.

Ainda de acordo com o estudo, os brasileiros apresentam-se como os mais inertes. A média mundial de inação é de 35%. No Brasil, chega a 69%. A distância entre palavras e ações –como se vê – é um obstáculo cultural importante a ser vencido para a expansão do consumo consciente em terras brasilisis. Há muito trabalho a ser feito por governos, empresas, organizações da sociedade civil e, é claro, planejadores de comunicação.


Fonte: Por Ricardo Voltolini - publisher da revista Idéia Socioambiental e diretor da consultoria Idéia Sustentável, in www.ideiasocioambiental.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …