Pular para o conteúdo principal

Mercado single: estratégias de Marketing para quem mora sozinho

O aumento crescente de pessoas que moram sozinhas começa a levar empresas a investir neste nicho solitário de consumidores. O mercado “single” ganha importância no PDV através de estratégias de Marketing que caminham de mãos dadas com o desenvolvimento de produtos e serviços para quem decide buscar a independência.

Além de produtos, este mercado oferece serviços que facilitam a vida destes consumidores que priorizam a qualidade antes do preço. Segmentar a comunicação é o desafio das companhias que buscam atingir e satisfazer a necessidade dos moradores solitários com produtos em porções menores e serviços voltados para o perfil de consumo e hábito deles.

Os produtos lançados para os estes consumidores normalmente não tem o mesmo destino que os desenvolvidos para o mercado de uma forma geral. Ao contrário da necessidade compulsiva de reinvenção do mercado usual e do desperdício, os produtos e serviços lançados para o mercado “single” são planejados para atingir e suprir a necessidade e a carência destas pessoas.

O crescimento deste setor abre o mercado com possibilidades para empresas de turismo com pacotes especiais, pet shops com serviços diferenciados, varejo segmentado e até o mercado imobiliário. Na Construtora Tecnisa 83% dos lançamentos buscam atender o público de renda média, que inclui a população single. investiu em alguns imóveis voltados para moradores solteiros ou sem a família para dividir espaço e despesas.

Mercado se adapta aos consumidores solitários
Uma das “regras” para quem quer entrar no mercado single é saber o que estes consumidores procuram e, a partir disso, oferecer os produtos adequados. “Oferecemos produtos em porções individuais, de preparo rápido e prático em pontos-de-venda onde esse público circula, além de ações de ativação de marca”, conta Eduardo Bernstein, Diretor de Marketing da Sadia.

O mercado imobiliário está favorável para os brasileiros e principalmente para os consumidores que buscam imóveis menores, e, consequentemente, mais baratos. Morar sozinho atualmente parece ser o melhor negócio já que o crédito para valores menores é mais fácil. “O público single também se encaixa na categoria de pessoas que compram o primeiro imóvel. Para os empreendimentos compactos o governo facilita o financiamento bancário”, ressalta Romeo Busarello, Diretor de Marketing da Tecnisa.

Para atrair estes consumidores ao PDV, a Sadia mantém a marca presente em eventos, Internet, mídia segmentada e ações de degustação em lojas que atendam ao mercado “single”. “O primeiro passo é a pesquisa de mercado para depois desenvolver embalagens adequadas”, aponta Bernstein.

Para entender os hábitos dos consumidores solteiros às vezes é necessário perceber que o trajeto dele até um ponto-de-venda pode significar muito mais do que uma compra. “É comum para quem mora sozinho ir diversas vezes ao mercado por dia para conversar com as pessoas e com funcionários. Tentamos suprir a carência deles sem ser evidente”, diz Kátia Bello, sócia-diretora da Opus Design.

Marketing para atrair os solteiros
A Opus Design é uma agência de comunicação estratégica de varejo especializada em merchandising que desenvolveu uma reforma de um supermercado baseada em pesquisas que apontam grande quantidade de freqüentadores deste tipo de público.

“Se antes os consumidores “singles” freqüentavam boates e festas para paquerar hoje eles podem ir ao supermercado. Adaptamos o PDV para criar situação de consumo para este público”, explica Kátia. O ambiente foi criado para o Supermercado Villa Real, em São José dos Campos.

A companhia mais comum destes consumidores solitários são os animais domésticos. Cães e gatos são lembrados na lista de compras dos consumidores e não demorou muito para atrair as atenções dos departamentos de Marketing das Pet Shops no Brasil. “O conceito de Pet care, que é um espaço voltado para o cuidado com os animais de estimação, também é um diferencial dos imóveis para os singles”, afirma Busarello.

“O animal que fica sozinho a maior parte do dia se estressa mais rápido e para isso oferecemos o espaço Pet Zen com banho de ofurô, massagem e terapia através de aromas”, diz a gerente de Marketing do Grupo Pet Center Marginal, Eugênia Fonseca.

Projetos de expansão, segmentação e embalagens
Um dos serviços mais procurados pelos consumidores que dividem o teto com seus bichos é o Day Care - ou creche - para animais domésticos. De acordo com Eugênia, o Grupo Pet Center já tem este projeto definido. “Será um serviço integral ou por períodos a partir de pacotes. Este projeto é para o ano que vem em uma área anexa à loja, que atualmente funciona como estacionamento”, adianta.

Assim como o público “single” busca por companhia em diferentes lugares, a Sadia prioriza as mídias segmentadas para atingir os solteiros. Cinema, revista, TV aberta e fechada, Internet e merchandising, além de ações no ponto-de-venda são primordiais para o desenvolvimento e fixação da marca na mente destes consumidores.

“O nosso público-alvo é o consumidor dos 15 aos 35 anos, que moram em grandes centros urbanos. A praticidade e a rapidez no preparo são as características mais procuradas, além das embalagens menores”, conclui o Diretor de Marketing da Sadia.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …