Pular para o conteúdo principal

O custo do necessário ajuste ambiental

No final do ano passado, o alto dirigente de uma empresa multinacional deixou escapar em reunião que só faria investimentos expressivos em novos modelos de produção e em produtos com baixa emissão de carbono quando os consumidores estivessem dispostos a pagar o “preço da novidade.”

Em defesa de sua tese, o executivo amparou-se no argumento de que os brasileiros são poucos críticos á abordagem do tema pelo mundo empresarial e ainda não perceberam o valor dessa questão a ponto de a considerarem central em suas decisões de consumo. Será?

Para buscar possíveis respostas, vale recorrer às conclusões da pesquisa Os Brasileiros Diante das Mudanças Climáticas. Realizado em 2007 pela Market Analysis, este importante estudo constatou a existência de quatro grupos ao fazer o cruzamento entre as variáveis "relação entre as esferas econômica e ambiental" e "avaliação do desempenho ambiental de empresas".

O mais numeroso (35%) compõe-se de indivíduos conservadores com visão baseada em conceitos da sociedade industrial. São os chamados "materialistas despreocupados". Para eles, pouco importa o quanto as empresas impactam o meio ambiente contanto que continuem a movimentar a economia, gerando empregos e produtos com preços acessíveis. Segundo o estudo, feito nas oito principais capitais do País, eles se encontram concentrados no Recife, Salvador, Brasília e Porto Alegre. Em seguida, destaca-se o grupo dos "críticos ambientalistas" (24%). Como o próprio nome sugere, esses indivíduos não só valorizam muito a questão ambiental como consideram insatisfatória a performance ambiental das empresas. Um em cada quatro brasileiros joga no time dos super engajados. E é mais fácil encontrá-lo em São Paulo, Curitiba, Rio de Janeiro e Belo Horizonte.

Um terceiro grupo, o dos "apoiadores ambientalistas", reúne 22% de consumidores. Igualmente entusiastas da temática, diferenciam-se do anterior por estarem satisfeitos com os esforços corporativos pela causa. Belo Horizonte é a cidade que mais concentra esses indivíduos. Ainda de acordo com a pesquisa, um em cada oito cidadãos ajuda a formar o bloco dos "materialistas críticos." Morando principalmente no Rio de Janeiro e em Salvador, eles priorizam a abordagem econômica em relação á ambiental, mas mesmo assim acham que as empresas não cumprem suas responsabilidades socioambientais.

Há outros elementos interessantes a considerar no estudo da Market Analysis. Na busca de respostas sobre o nível de engajamento ambiental do consumidor brasileiro, a pesquisa chegou a quatro "reações" cruzando as variáveis "eventual impacto negativo do corte de carbono para a economia" versus "ameaça para o indivíduo e sua família representada pela mudança de clima."

A reação de paralisia (44%) é a que engloba o maior número de pessoas. Confusos com o modo como o tema vem sendo discutido na agenda pública, eles identificam muitas perdas. Mas, ao mesmo tempo, acham que o ajuste ambiental produzirá impactos negativos para a economia. O segundo grupo, denominado "consenso sustentável", compreende 36% que discordam da idéia de que uma redução de carbono vai necessariamente diminuir a atividade econômica. Preocupados com a ameaça das mudanças climáticas, eles se mostram receptivos a intervenções no modelo produtivo e estão entre os que melhor aceitam iniciativas, produtos e serviços sustentáveis.

Os outros dois grupos equivalem a 20% da população. Cerca de 7% compõem o grupo dos que desconfiam do aquecimento global e não abrem mão do atual modelo de produção e consumo. São resistentes a qualquer ônus ambiental e, portanto, à proposta da sustentabilidade. O último grupo abriga 13% de "otimistas ingênuos" que, além de não identificarem nenhum impacto adverso das mudanças climáticas acham desnecessário mudar modos de viver e consumir.

Por qualquer ângulo que se olhe este conjunto de dados, a posição do dirigente mencionada no início desse artigo parece, no mínimo, discutível. O próprio estudo indica, é verdade, que os brasileiros, apesar de muito preocupados, situam-se mais no campo das intenções do que no das ações. Mas contra os 35% de “materialistas despreocupados”, há, por exemplo, 46% de "ambientalistas" --uns mais "críticos" e prontos para demandar produtos ambientalmente responsáveis, outros "apoiadores" da idéia, com postura que pode evoluir mediante revisões de pensamento estimuladas pelo crescente debate do tema na sociedade. Ainda que os 20% de desconfiados e resistentes á proposta da sustentabilidade mantenham essa posição, por ignorância ou teimosia, o percentual dos que admitem o consenso sustentável deve crescer substancialmente nos próximos anos com adesão dos que vão se libertar da paralisia depois de entender que o necessário ajuste ambiental não constitui barreira para a economia.


Fonte: Por Ricardo Voltolini, in www.aberje.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …