Pular para o conteúdo principal

Quando sua equipe precisa de desafios

Como superar barreiras ao trabalho de equipe e transformar colegas em colaboradores? “Coloque a equipe diante de um desafio irresistível”, aconselham os consultores Patrick J. McKenna e David H. Maister, autores do livro First Among Equals: How to Manage a Group of Professionals (ed. Free Press).

Existem desafios de diversas naturezas –como um projeto high-profile, um esforço para melhora dos processos ou uma oportunidade de vencer a fama de “azarão”. Uma crise ou a pressão de um prazo restrito funcionam como “temperos”. “Com um incêndio a ser apagado ou cronogramas apertados, não sobra tempo para apontar o dedo”, lembra Allan Steinmetz, CEO da empresa Inward Strategic Consulting.

Seja qual for o teor, todos os desafios mexem com a necessidade humana de pertencer a algo maior. No entanto, definir uma meta e estimular a equipe a superá-la exige maestria. “É preciso querer que as pessoas se superem”, ressalta Maister. A seguir, cinco táticas recomendadas pelos especialistas:

1. Partilhe informação.
Não poupe dados sobre a importância da empreitada. “As pessoas querem estar informadas”, alerta John Coleman, CEO da empresa de marketing The VIA Group. Judith Glaser, CEO da Benchmark Communications, orienta os clientes a jogar aberto, mesmo quando as notícias não forem boas. A partilha de informação estimula a coesão e permite identificar as ferramentas necessárias.

A Siemens Medical Solutions foi além em 2004, quando a então consultora Katie Buckley desafiou os líderes das unidades de negócios a elaborar gráficos que mostrassem a nova estratégia competitiva: do esforço saiu um diagrama com as medidas necessárias para abalar a concorrência.

2. Peça contribuições.
Estimule as pessoas a apresentar idéias. Glaser orienta os clientes a “ajudar as pessoas a articular suas contribuições. Pergunte: 'Qual tipo de inovação você pode acrescentar a esse projeto?'”.

Brian Zanghi, CEO da Pragmatech Software, usou essa abordagem quando desafiou os executivos a atuar de forma multidisciplinar dentro de uma cultura até então hierárquica. Objetivo? Conquistar novos clientes e ampliar o market share. Boa parte dos executivos, porém, era da “velha guarda” e não se sentia confortável com a idéia de colaborar com colegas de outras unidades. “Não interferi nos detalhes, pois isso extermina a criatividade”, lembra Zanghi.

3. Estimule a equipe.
Crie oportunidades para que as pessoas usem habilidades incomuns em seu diaa-dia. “Sair da caixa” permite pensar de outras maneiras, o que é essencial para a atuação em equipe e para o surgimento de idéias inovadoras.

Foi o que fez Stacy DeWalt, vice-presidente de marketing da Pitney Bowes, ao reunir 25 pessoas com experiência em áreas distintas para procurar meios de mudar a percepção do público-alvo e fortalecer os produtos e serviços da empresa na classe C. A executiva criou subgrupos e solicitou idéias alheias à esfera de atuação habitual.

4. Valorize os resultados e a visibilidade.
Para vitaminar o espírito de equipe, aposte na visibilidade. Após a reunião, os grupos reunidos por DeWalt registraram suas idéias e as apresentaram para os vicepresidentes.

“A idéia era deixar claro que existia apoio”, explica. Resultado: quatro das melhores idéias foram transformadas em projetos.

5. Ajude as pessoas.
Proponha exercícios que permitam a vivência do desafio. Um exemplo são as táticas que usaram os executivos da divisão Saturn, da General Motors, ao pedir que as equipes de vendas apresentassem idéias capazes de atender à proposta da marca: surpreender e encantar os consumidores. “Queríamos que eles vivenciassem o processo”, conta Chris Bower, gerente de estratégia para varejo da GM.


Fonte: Por Lauren Keller Johnson, colaboradora da Harvard Management Update, in Portal HSM On-line
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …