Pular para o conteúdo principal

O papel do líder na mudança corporativa

Sem dúvida alguma, um dos maiores desafios na vida de um (a) líder é quando ele/ela enfrenta um processo de mudança. E quanto maior e mais complexa for a mudança, mais árduo será o processo. Neste artigo, de maneira sucinta, pretendemos fazer algumas reflexões sobre este tema.

No meu ponto de vista, durante a fase inicial do ato de mudança existem quatro tipos de atores: os convergentes (concordam e defendem a mudança), os neutros (ainda não têm opinião formada), os divergentes (discordam do conteúdo) e os confrontantes (não só discordam, como farão tudo para boicotar a implantação do processo).

O líder - daqui por diante entendido como o ou a líder - precisa ter uma profunda conscientização desta "grade hierarquia de cooptação", para que ele possa contar com os verdadeiros alavancadores daquilo que vai mudar. Por isto, também, os liderados devem apoiar a consistência global do líder, de modo a maximizar seu grau de legitimidade. Quanto mais legítimo, autêntico e natural for o líder, maior será a possibilidade de sucesso da mudança.

Se juntarmos às dificuldades naturais de qualquer processo a necessidade da luta política contra divergentes e confrontantes, pode-se, literalmente, chegar ao patamar da "missão impossível", onde estará vivo como nunca o resultado do jogo perde-perde. Por isto, apesar, de ousado - e até estranho - entendo que o desempenho do líder depende não só de sua capacidade de "lidar com a complexidade da estrutura de poder", mas também depende do grau de contribuição de seus liderados e parceiros.

Não há dúvida que uma Revolução de Sargentos pode dar certo. Não há dúvida que uma ação bem engendrada de boicote, que forme um golpe de oposição inteligente, terá efeitos atômicos sobre a mudança. Mais uma vez, é preciso que se entenda que, mesmo no século XXI, neste mundo feérico das maravilhas eletrônicas, a essência humana é fator crítico de sucesso para as organizações de todos os tipos. Um grupo sem um alto coeficiente de confiança mútua não poderá jamais "correr limpo, sem âncoras".

O conceito de sinergia e QI grupal não é invenção retórica de consultores. A inteligência de um grupo tem que ser muito maior do que a mera soma dos QIs individuais. O mundo complexo de hoje exige níveis muito elevados de inteligência competitiva. Mudar a roda com o automóvel em movimento - exigência do momento atual - e ainda brigar com o motorista levará ao desastre fatal. As pessoas precisam de generosidade, de sentido de contribuição, de dar, de doar - ações na linha da felicíssima Oração de São Francisco. Caso contrário, cairemos na sarcástica conclusão que sempre uso em minhas palestras: "Quando duas áreas ou mesmo duas pessoas de uma empresa brigam entre si, só existe um vencedor: o concorrente".
kicker: Quando duas áreas ou mesmo duas pessoas de uma companhia brigam entre si, só existe um vencedor: o concorrente.


Fonte: Por Marco Aurélio Ferreira Vianna, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 13
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …