Pular para o conteúdo principal

É fácil prever o futuro

Paulo Lima previu o meu futuro em 1993. Contei que tinha largado o emprego para fundar minha própria editora, ele riu: “Welcome to hell”.

Realmente. De repórter a editor, a criador de novas empresas e novos negócios (quantos?), passei anos quentes aprendendo que o inferno é mais divertido que o paraíso. Acertei umas boas, errei umas incríveis. Fui mais que chamuscado — fui temperado.

Quando comecei era simples, era rock’n’roll, e era você contra ou a favor do “Sistema”. Em 1988 eu era um cabeludo que escrevia sobre música na Folha. Lidava todo dia com o poder e a arrogância da indústria fonográfica. Não existia internet nem CD nem MTV nem disco e, na prática, nem PC. Hoje ela está moribunda. No Brasil, encolheu 31,2% de 2007 para 2008. Caiu para R$ 312,5 milhões, incluindo DVDs e venda digital via net e celular.

A indústria morreu, viva a música. Nunca tivemos acesso a tantos artistas, e de graça. Cada um deles está virando sua própria gravadora e competindo pelos “mil fãs” que devem bastar para sustentar (não enriquecer) qualquer criador, segundo a teoria de Kevin Kelly.

Ninguém sensato preveria o fim melancólico da indústria fonográfica em 1998. Mas ninguém nunca me acusou de sensatez, então vaticino: as próximas vítimas serão justamente as empresas de comunicação e as agências de publicidade.

É um fenômeno global, local e causado por avanços tecnológicos e mudanças sociais irreversíveis. A maioria dos grupos de comunicação brasileiros já está em situação financeira frágil ou pior. Sobrarão poucos, quase irreconhecíveis — assunto para outro dia.

A indústria está morrendo, viva a comunicação. A maneira mais fácil de prever o futuro é criá-lo. Quem está criando nosso futuro, e que cara ele terá? Responder a essas duas questões é meu trabalho — e meu assunto no Meio & Mensagem.

Minhas apostas revelam minhas respostas. Parte importante do futuro da comunicação é da tal Décima Arte, o entretenimento audiovisual interativo, também conhecido como videogame. Puxo a sardinha para a minha brasa, mas os números são incontestáveis (leia a versão desta coluna no M&M Online).

Quer saber como será a Copa de 2014? Compre um Nintendo Wii. É muito mais estimulante jogar/participar/competir/interferir do que ficar jogado no sofá deglutindo a mesma coisa de sempre. Seriados, reality shows, jornalismo, publicidade, novelas — tudo será recriado do ponto de vista da interatividade, do jogo, da diversão comunitária.

2014 será a primeira Copa que não será somente assistida, mas jogada por milhões (bilhões?) de pessoas. A maioria dos grande players do mundo da comunicação não será capaz de se reinventar nos próximos seis anos. Tchauzinho.

O apocalipse digital na comunicação é só a parte visível do iceberg. Chris Anderson, autor de A Cauda Longa, defende em seu novo livro, Free: a tecnologia tem poder deflacionário. E todas as indústrias estão se tornando parcialmente indústrias digitais. Por isso, “grátis” é o melhor preço para a maioria dos produtos e serviços que consumimos.

Um exemplo de Anderson que interessa aos leitores do M&M: o Google transformou a publicidade em um software. Era um negócio baseado em economia humana, analógica (as coisas ficam cada vez mais escassas e mais raras). Hoje é um negócio digital (as coisas barateiam a cada minuto).

Chris Anderson é, antes de mais nada, um repórter de tecnologia. Sabe o que alguns dos maiores cérebros vivos estão pensando — por exemplo, Ben Shneiderman, professor de ciência da computação da Universidade de Maryland e autor de Leonardo’s Laptop (MIT Press).

Ele cunhou o termo “Ciência 2.0”, que define os novos tipos de ciência sendo criados para dar conta dos novos problemas. O método da Ciência tradicional continua valendo: testar as hipóteses, construir modelos, validar, replicar, generalizar.

Mas os desafios da Ciência 2.0 não podem ser estudados adequadamente em condições de laboratório. Eles estão por aí — são colaborações entre pessoas, comunicação entre comunidades, operações financeiras planetárias. O nome bonito é “sistemas sociotecnológicos”.

Shnaiderman diz que a grande aventura científica dos próximos 400 anos será definir, mensurar e prever a interação entre quatro variáveis: Empatia, Responsabilidade, Privacidade e Confiança.

Agora a gente tem de entender de ciência também? É. E de moda, sociologia, comércio, sustentabilidade. Ei, não me culpe. Mas estamos vivendo num mundo de ficção científica. Precisamos de estilo sedutor e técnica eficiente. Essa é a Nova Fronteira da comunicação. E nós — na manha ou na marra — somos seus exploradores.


Fonte: Por André Forastieri - É fácil prever o futuro, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …