Pular para o conteúdo principal

Marcas unem-se para ações conjuntas de marketing

Já diz o velho ditado que "duas cabeças pensam melhor do que uma". Seguindo essa idéia, muitas empresas vêm formando parcerias em diversas áreas de atuação, entre elas o Marketing. As ações conjuntam visam metas como otimização de custo, agregação de valor, aumento de vendas ou até mesmo marcar presença em espaços não habituais à marca. Para isso, vale buscar parceiros que tenham produtos que possam tornar-se complementares, fortalecendo e aproximando-se da própria experiência do consumidor em um mundo recheado de marcas.

Ações comuns como promoções em venda conjunta, podem trazer bons resultados, mas também há espaço para ações diferenciadas. Empresas já atuam oferecendo em pontos-de-venda degustação de dois produtos complementares, distribuição de brindes e produtos em locais alternativos ou mesmo disponibilidade de conteúdo e ferramentas para ações de terceiros que possam também promover a sua marca.

Produto como conteúdo para ações de outras marcas
Iniciativas desse tipo são justamente o que não falta na Coquetel. A linha de revistas de passatempos da Ediouro, onde o carro-chefe são as palavras cruzadas, possui diversas iniciativas em conjunto com outras empresas. Não é difícil ver um jogo da marca nos jornais, revistas, brindes entregue por promotores de outras empresas, papéis-bandeja de restaurantes ou até mesmo em ações de endomarketing.

Para Vânia Tavares, Diretora Executiva das revistas Coquetel, da Ediouro, a empresa é muito procurada por trabalhar com produtos que interessam a todos os tipos de públicos. "Sempre tem algum jogo que se encaixa à ação de alguma marca. A Coquetel tem reconhecimento, conteúdo e é sinônimo de qualidade, por isso é procurada para fornecer material deste tipo", conta a diretora, em entrevista ao Mundo do Marketing.

As ações, porém, não se limitam ao fornecimento de jogos para ações de outras empresas. Entre outros exemplos, está a distribuição de 100 mil revistas em vôos da TAM Linhas Aéreas e 20 mil nos restaurantes da rede de restaurantes Spoleto, promoções e jogos em suas próprias revistas ou site tematizados com filmes em cartaz no cinema ou até mesmo a exposição da maior palavra cruzada do mundo e o maior caça palavra do mundo no bar Conversa Fiada, que podiam ser jogadas por freqüentadores do espaço. "Procuramos parceiros para agregar valor à nossa marca, que envolvam mídias ou projetos que gerem caixa para a Coquetel", ressalta a diretora.

Parceria entre marcas bem distintas
A Sadia também tem boas experiências em ações de parceria com a Brastemp. Apesar de trabalhar com produtos tão diferentes, ambas as empresas resolveram se unir e focar em ações que combinem produtos de ambas as marcas. No final do ano passado, uma ação de lançamento de uma nova linha de microondas aproveitou para promover a Pizza para Microondas Sadia na rede Carrefour da região metropolitana de São Paulo. Além de oferecer brindes para quem comprasse ambos os produtos em conjunto, diversas promotoras apresentavam o microondas e ofereciam as pizzas da Sadia assadas na hora no produto da Brastemp.

A geração de valor para ambas as marcas e incremento no volume de vendas, além da otimização dos investimentos através do fortalecimento fornecido pela parceria são os objetivo de ações como essa. "Sempre identificamos sinergia entre as duas marcas e suas estratégias, além da alta afinidade entre as linhas de produtos, em especial os congelados cárneos e nossa linha branca", explica Tannia Bruno, gestora de marca da Sadia, ao Mundo do Marketing.

No ano passado, no entanto, a Sadia sentiu a necessidade de ampliar o escopo da parceira, considerando além das ações promocionais, o desenvolvimento de produtos e tecnologias, pesquisas e estudos e a troca das melhores práticas entre as marcas. Como resultado, a companhia ampliou o conhecimento sobre mercados potenciais e tecnologias de ponta que estão em estudo pelas duas empresas, gerando maior sinergia na condução e projetos conjuntos. Além da Brastemp, a Sadia também já fez ações em conjunto com a Ambev, quando se uniu à companhia para dividir um estande de 80m² na 26ª Exposição e Encontro do Centro-Oeste de Supermercados, onde era oferecida a degustação de produtos da marca em companhia das bebidas da multinacional.

Exposição em novos espaços
A qualidade é a maior preocupação em ações de parceria da Dr. Oetker. A marca alemã de alimentos busca empresas que tenham a mesma rigorosidade nesta área ao oferecer um produto para os clientes que possam ser complementados com seus próprios produtos alimentícios. Assim, a empresa espera apresentar-se diante do consumidor de uma forma mais completa e próxima à sua realidade. É por isso que a empresa resolveu apresentar o seu VitaminaShake em ponto-de-venda.

Como se trata de uma vitamina em pó e sua preparação exige misturá-la ao leite, a companhia fez uma parceria com a Perdigão. A ação colocou promotoras para preparar o Vitamina Shake no próprio PDV para degustação utilizando o leite Elegê, da Perdigão. "A Dr.Oetker vê isto como uma chance do consumidor ter acesso a fortes líderes em qualidade no mercado, principalmente onde a sinergia entre as equipes que tornaram esta parceria possível foi intensa e ambas visavam uma oportunidade", conta Letícia Barabba, gerente de produto da marca.

Além da Perdigão, a Dr. Oetker também já fez parceria com a Brastemp, em ação "member get member" onde o cliente que indicou o purificador Brastemp ganhava uma caixa de chás Dr.Oetker, e também com a Polenghi, com pacotes promocionais no ponto-de-venda contendo um Kit de Cream Cheese Polenghi junto com uma caixa de Chá Dr.Oetker. "Na ação com a Polenghi, ganhamos uma exposição adicional estando presente na gôndola de refrigerados, que não é habitual para nossos produtos", comemora a gerente de produto.


Fonte: Por Guilherme Neto, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …