Pular para o conteúdo principal

MasterCard propõe interatividade aos consumidores

O conceito "Não tem preço", definitivamente, parece render bons frutos para a MasterCard. Após 11 anos do lançamento da campanha, no World Series de 1997, a empresa continua apostando suas fichas no mote, sempre com variações na abordagem do tema. Desta vez, quem contará as ocasiões que "não têm preço" serão os consumidores. Por meio de vídeos, fotos ou depoimentos em áudio, o público compartilhará suas experiências pelo site 'Não tem preço'.

Criada pela McCann Erickson, a campanha será dividida em três fases. Com início no domingo, 27, a primeira fase será veiculada em TV aberta e fechada, rádios, mídia impressa e internet. No comercial, um apresentador fala para a câmera e puxa as extremidades do vídeo tal qual janelas. Ele manipula o filme como se fossem imagens 3D, perguntando o que não tem preço para as pessoas e discursando sobre o que realmente importa na vida de cada um.

Depois disso, os globos do site se fundem, formando o logo da MasterCard e entra o letreiro do endereço eletrônico. Tudo retoma ao já conhecido bordão: "Existem coisas que o dinheiro não compra, para todas as outras existe MasterCard".

Na segunda fase, a campanha será construída com histórias reais enviadas ao site, no qual a empresa continuará a convidar os consumidores a participar de sua campanha e a concorrer a prêmios semanais.

A terceira e última etapa da comunicação contemplará promoções com estabelecimentos comerciais que trarão benefícios diretos para os usuários dos cartões, além de ações de endomarketing com os bancos emissores da MasterCard. Dois vencedores terão suas histórias transformadas em comerciais de TV e centenas de outros, em peças de revistas, rádios e mídia online.

"Estamos passando pela fase do conhecimento do público para a preferência. Esperamos atingir estes resultados após vários estudos para saber como buscar a preferência do cliente", conta Beatriz Galloni, VP de marketing da companhia no Brasil. Segundo o diretor de criação da McCann Erickson, Eduardo Hernandez, a campanha multidisciplinar começou com mecanismos dentro da MasterCard e da McCann. "Realizamos ações para que os funcionários das duas empresas mandassem suas fotos e vídeos com momentos que não têm preço. Foi um sucesso e esta experiência agregou naturalmente todas as pessoas envolvidas", afirma.


Fonte: Por André Lucena, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …