Pular para o conteúdo principal

Segurança é diferencial entre os benefícios

A segurança passou a ser um dos principais diferenciais que as empresas - nacionais e multinacionais em atuação no Brasil - oferecem como benefício aos seus executivos. Segundo o "Estudo Hay Group de Benefícios 2007", 44% das empresas mantinham no ano passado programas de segurança para os seus presidentes, enquanto em 2004 o índice era de apenas 30%. Os carros blindados são os itens mais usados, oferecidos a 84% dos presidentes e a 67% dos vice-presidentes e diretores.

A pesquisa do Hay Group abordou as práticas adotadas por 113 companhias de diferentes setores. De acordo com o levantamento, alguns benefícios passaram a ser mais valorizados e oferecidos pelas corporações em 2007, na comparação com os anos de 2004 e 2005, períodos abrangidos pelas edições anteriores da pesquisa.

Conforme o levantamento, o número de empresas que oferece aos seus executivos itens como educação para dependentes, telefone celular e automóveis também aumentou. Por outro lado, outros benefícios antes presentes no pacote das empresas - como auxílio-moradia - deixaram de constar na lista de muitas corporações.

O financiamento educacional para dependentes dos funcionários, em 8% das empresas consultadas em 2005, passou a ser vantagem oferecida por 11% das companhias em 2007. Conforme a consultoria, o investimento neste tipo de benefício aumenta o nível de comprometimento dos colaboradores.

Apesar do aumento no número de empresas que garantem o bônus, o percentual de membros favorecidos nos altos escalões (direção à presidência) vem caindo. Entre os presidentes, caiu de 90% (2004) para 75% (2007). Entre os vice-presidentes, diretores executivos e demais diretores, despencou de 90% para 67% no período.

Outro benefício concedido é o subsídio ao desenvolvimento pessoal e profissional dos gestores e demais colaboradores. Em 2007, a maior parte das companhias procurou subsidiar os executivos em cursos de pós-graduação, MBA e idiomas - entre os níveis de supervisão e presidência, o montante subsidiado chegou a 70%. Já entre os profissionais operacionais e administrativos, os maiores investimentos no ano foram em cursos de ensino médio e graduação.

Carro só para presidente
O número de empresas que oferece um automóvel como benefício teve ligeiro aumento de 2004 a 2007, 95% para 96%. Entretanto, enquanto o número de altos gerentes, diretores, vice-presidentes e presidentes que recebiam o benefício se manteve praticamente estável no período, o total de gerentes favorecidos com o carro da empresa caiu de 45% para 43%, demonstrando clara política corporativa de proporcionar tal vantagem só aos altos escalões.

O percentual de empresas que cediam um segundo automóvel aos executivos aumentou nos últimos anos. Em 2004, o índice era de 6%; em 2007, 7%. Entretanto, se em 2005 o benefício também atingia vice-presidentes e diretores, em 2007 passou a ser exclusividade dos primeiros mandatários.

Celular é para todos
Benefício cada vez mais explorado pelas empresas é a cessão de telefone celular aos executivos. Pela pesquisa, 73% das companhias ofereciam a vantagem em 2004. Já em 2007, foram 88%. Da mesma forma, o total de presidentes, vice-presidentes, diretores, altos gerentes e gerentes médios beneficiados com o celular corporativo também aumentou sensivelmente - entre os gerentes, o índice saltou de 44%, em 2004, para 75%, em 2007.

Apesar da melhora no pacote de benefícios em vários itens, a pesquisa apontou que certas vantagens perderam espaço no conjunto de atrativos. Em 2007, só 2% das empresas ofereciam o auxílio-moradia, enquanto em 2005 o percentual era de 5%. Além disso, conforme as pesquisas de 2004 e 2005, este bônus também era oferecido a diretores, vice-presidentes e até a gerentes e altos gerentes (estes dois últimos, só em 2004). Em 2007, porém, tal benefício passou a ser concedido apenas a presidentes.


Fonte: Por Marcelo Monteiro, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …