Pular para o conteúdo principal

Ser CEO...

Recentemente, falava eu para um grupo de estudantes quando me foi pedido para explicar a sigla CEO. Como aprendi na vida executiva, antes de responder eu testei o que o grupo já sabia, para não chover no molhado. E fiquei surpreso com as respostas. Parte dos presentes tinha conhecimento do significado de cada uma das três letrinhas, Chief Executive Officer, mas não do conjunto da obra. Outra parte entendia que o CEO era o presidente, mas não conseguia captar essa importância ao traduzir a sigla, literalmente, para o português.

Aí, procurei dar a explicação mais didática possível, a começar pela natural confusão causada pelos falsos cognatos. Em inglês, chief só quer dizer "chefe" quando mencionamos tribos indígenas. Em linguagem executiva, chief significa "principal". A pergunta seguinte foi mais ou menos esperada: por que não usar "principal" em vez de "chief"? Porque, em inglês, "principal" é "o diretor da escola", e não o executivo número 1 de uma organização.

O executivo número 1... Essa expressão levou cada um dos presentes a se imaginar sentado numa vasta poltrona de couro, numa sala finamente decorada, com 120 metros quadrados de área e banheiro exclusivo, sendo incensado por uma procissão de subordinados de altíssimo nível. Correndo o risco de fazer desvanecer os sonhos que povoavam a sala, eu esclareci que acima do número 1 existe outro número 1 - também CEO, só que num patamar hierárquico ainda mais alto. Então, o número 1 é o número 2? Dependendo do tamanho da organização, pode até ser o número 5.


Expliquei que, exceção feita aos donos de empresas, não existe mais "aquele que tudo pode e tudo faz". Um CEO é um profissional com objetivos a cumprir e metas a atingir. Tudo bem definido, e colocado no papel. Acima dele, em um país alhures, existe outro CEO, que, normalmente, não entende bem como o Brasil funciona, mas que nem por isso perdoa resultados abaixo do esperado. E, lá no topo da pirâmide, existe um CEO cuja sobrevivência depende da satisfação dos acionistas, que só enxergam os dividendos de curtíssimo prazo. Naturalmente, essa escala vertical é pontilhada por muita tensão, porque qualquer mau desempenho num único trimestre pode desencadear um desastre.

Resumi dizendo que um bom CEO só consegue ser eficiente enquanto tiver plena consciência de que sua função é efêmera, e que os problemas começam no momento em que ele se sente absolutamente seguro em sua posição. As atribuições do CEO são até simples. Pavimentar o futuro sem descuidar do presente, e manter a empresa alinhada em torno de objetivos práticos. Para conseguir isso, ele precisa usar muita diplomacia em suas relações, e colocar muita energia em suas posições. Minha experiência me mostrou que todos os CEOs possuem essas duas características, caso contrário não teriam sido promovidos. Mas os melhores que eu conheci - e que se mantêm há muitos anos na função - são os que têm a sabedoria para diferenciar o momento de ser diplomático ou enérgico. Algo que é preciso aprender para se tornar CEO, e praticar todos os dias para permanecer CEO.


Fonte: Por Max Gehringer, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …