Pular para o conteúdo principal

Um poder de Estado

Muito se tem falado do poder das empresas no mundo contemporâneo. Um poder que é a fonte e solução dos maiores fantasmas que rondam a humanidade: a poluição, o aquecimento global, as guerras por energia e água, a migração forçada pela miséria.

Um poder empresarial que faz os corações e as mentes de bilhões de consumidores, enquanto provocadores de desejos voltados aos seus produtos; alguns desses produtos verdadeiras bugigangas poluidoras que o consumidor poderia adiar a compra ou simplesmente não consumir.

Edward Bernays, tido como o pai intelectual das Relações Públicas, criou nos anos 1920 e 1930 estratégias persuasivas, munido de pesquisas e psicologia de massa, para que as indústrias virassem máquinas de vendas, sem nenhuma consideração pelo que se chama hoje de produção sustentável. O resultado disso está ai nas montanhas de lixo e na poluição que o consumo desvairado está produzindo.

Quando consultamos a memória da polis, vemos o poder corporativo fazendo e desfazendo governos. O socialista chileno Salvador Allende foi deposto do poder, em 11 de setembro de 1973, por uma armação sinistra que juntou multinacionais poderosas, políticos e militares fascistas.

No mundo do brilho fashion, a empresa induz comportamentos e tendências sociais. Enfim, esse é um poder que nos faz respirar, viver as empresas o tempo todo e que tem na comunicação empresarial o seu maior e melhor braço de guerra.

Nesta semana, tivemos mais uma comprovação dessa força empresarial na decisão de duas grandes redes varejistas norte-americanas, uma delas a Wal-Mart, que resolveram limitar a venda de pacotes de arroz para os consumidores, diante da possibilidade de um desabastecimento em suas gôndolas, em razão de notícias da falta de commodities para alimentar gente. Explico: soja virou comida de gado e milho está se transformando em combustível para a frota norte-americana de automóveis.

Os mega-varejistas norte-americanos, em conseqüência de suas escalas econômicas e influências nas cadeias produtivas, demonstraram que, cada vez mais, têm atributos organizacionais, entre eles o poder, que eram identificados apenas no âmbito dos estados.

Agora, a grande empresa também regula mercado e qualidade de produtos, é protagonista importante em temas como inflação, emprego e educação. Em lugares onde o estado é fraco, a empresa é a escola e o médico, que mostra para a comunidade a importância de se lavar as mãos, de se beber água fervida, reciclar lixo, entre outros itens que aparecem na comunicação de responsabilidade social.

No Brasil, a rede de supermercados Pão de Açúcar criou uma série de postos de reciclagem de papéis, plásticos, metais e óleo de cozinha . Além disso, Pão de Açúcar, Carrefour e Wal-Mart anunciam constantemente controlar a qualidade e a segurança alimentar daquilo que oferecem aos seus consumidores, esses temas que são outros fantasmas do mundo moderno. Depois de bebermos leite com soda cáustica, estamos comendo alface e tomate recheado de agrotóxicos, como anunciou a Folha de S.Paulo, em sua manchete principal de 24 de abril.

Mais um aspecto ressaltado pela crise alimentar mundial é que as mega-empresas são na verdade empresas-estado. Os seus dirigentes são como presidentes de países, o que deveria lhes impor uma nova educação, não mais voltada só para os acontecimentos de suas linhas de produção e escritórios, mas voltada para a rede social, econômica e ambiental, na qual a empresa é apenas mais um importante participante. Nessa rede social, a empresa faz parte do problema e da solução.

A nova educação corporativa exige comportamentos democráticos, em que o dirigente empresarial deve ser um relacionador. Alguém que fale, que se expresse, que seja um líder da comunicação empresarial. E entenda que um mundo cada dia mais minado de temas complexos, como o da crise alimentar, exige o tempo inteiro que as empresas expliquem as suas ações e participem da discussão dos temas da agenda pública.


Fonte: Por Paulo Nassar, in Terra Magazine
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …