Pular para o conteúdo principal

Web 2.0 é nova fonte de insights para pesquisa de mercado

O Brasil apresenta uma das maiores taxas de uso de blogs, sites de comunidades (Orkut, MySpace, Facebook) e de criação de conteúdo coletivo na internet mundial. Diante desse cenário, as empresas de pesquisa precisam estar preparadas para coletar e analisar as opiniões geradas pelos consumidores nesse ambiente, caso contrário, podem perder espaço para empresas oriundas do segmento de tecnologia. Esta é uma das conclusões do paper Blogs e Comunidades Online: pesquisa 2.0?, apresentado pelo IBOPE Inteligência no 3º Congresso Brasileiro de Pesquisa, que aconteceu em São Paulo nos dias 22, 23 e 24 de abril.

“Uma parcela crescente do uso da internet foge da lógica do modelo de transmissão de um para muitos e passa a ser baseada na transmissão de idéias, opiniões e conteúdo de muitos para muitos, constituindo-se em um rico espaço de informações sobre o comportamento dos consumidores e a atitude dos mesmos em relação às marcas”, afirma Marcelo Coutinho, autor do estudo e diretor de análise de mercado e de novos negócios do IBOPE Inteligência.

Segundo o executivo, diversas empresas nos EUA e na Europa já estão utilizando blogs e comunidades para afinar sua linha de comunicação, ou mesmo desenvolver novos produtos. O IBOPE entrevistou 14 gestores das áreas de marketing e comunicação de empresas brasileiras e verificou que esta prática já começa a aparecer ‘no radar’ das empresas nacionais, embora não tão consolidada quanto nos países onde a penetração da internet é mais elevada.

De acordo com pesquisa do Comitê Gestor da internet no Brasil, divulgada no início de abril, cerca de 40 milhões de brasileiros utilizam a rede regularmente. Deste total, 64% participam de sites de comunidades e 13% criam ou atualizam blogs.

O Brasil, como líder em horas de utilização da internet em domicílio, oferece muitas possibilidades para o desenvolvimento da pesquisa na web via observação desse tipo de site. Entretanto, por força da tradição, anunciantes, institutos e agências de publicidade assumem uma postura de controle em relação às pesquisas, pautando questionários e formatos. No cenário digital que vem se esboçando, contudo, um único consumidor bem articulado pode colocar “no centro do palco” problemas, percepções e questões que sequer constavam nos briefings das empresas de pesquisa.

“Existe muita resistência em experimentar novas metodologias e buscar novas práticas que não sejam necessariamente qualitativas ou quantitativas, mas uma mistura de ambas”, afirma o diretor do IBOPE Inteligência. Segundo o executivo, essa resistência pode repetir o fenômeno visto no segmento de geração de conteúdo, no início dos anos 90, quando as empresas jornalísticas acreditavam na idéia de que, como produtoras de conteúdo, estavam em posição privilegiada para usufruir das vantagens da web.

Na opinião de Coutinho, essas empresas demoraram para compreender que o mundo digital exige mais que um simples replicar de modelos de negócios tradicionais e, com isso, perderam sua posição privilegiada para empresas como Google, Microsoft, Facebook e outras. “Com a explosão de conteúdo houve uma valorização da capacidade de organizá-lo, mas não da capacidade de geração desse conteúdo, que cada vez mais fica por conta do usuário”, analisa Coutinho. “No fundo, estamos falando de coletar e analisar bits e bytes em um formato que pode parecer estranho para quem tem mais de 40 anos, mas é absolutamente natural para um adolescente”.


Fonte: www.ibope.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …