Halo 3: Como acreditar em um herói

Reunir milhões de pessoas sob um slogan poderoso e inspirador, que faz as pessoas acreditarem em alguém, ou algo, e conquistar o resultado traçado desde o briefing. Apesar desta frase se encaixar perfeitamente à campanha de Barack Obama à presidência dos Estados Unidos, ela vale também para um dos grandes cases de storytelling da publicidade mundial, que foi premiado com Grand Prix na área de Integrated em Cannes no ano passado. Trata-se de Halo 3, o game para Xbox, da Microsoft, que atraiu multidões às filas no dia de seu lançamento e que fez de seu protagonista muito mais do que um personagem de videogame.

Nigel Tribe, da TAG, um dos responsáveis pelo projeto, revelou como o Halo 3 tornou-se esse fenômeno, revelando que desde o início da campanha já haviam sido alguns objetivos muito claros e ousados (todos atingidos, aliás), como vender 7 milhões de jogos nos primeiros 12 meses e suplantar a maior venda de um game em sua estreia, um recorde que pertencia ao Homem Aranha 3.

O grande segredo foi explorar o potencial do protagonista do jogo, o Master Chief, que aparece na campanha como um herói clássico. "É uma ideia criativa simples. Ele tinha valores como bravura, sacrifício e entrega, algo que é entendido em qualquer lugar do mundo, e que fala com todos", disse Tribe, acrescentando que a pergunta essencial do briefing deixou de ser "como vender um jogo de videogame" para "como você honra um heroi?"

O conceito escolhido, Believe (Acredite), foi absorvido pela TAG, todas as outras agências envolvidas e pelo anunciante, um fator essencial, segundo Tribe, para o sucesso da campanha. "Todos tinham que acreditar. Essa palavra tornou-se um mantra interno", resume Tribe.

A partir disso, foi criado um museu fictício, intitulado Museum of Humanity, para homenagear os combatentes da batalha de Halo 3 e celebrar a vitória da raça humana, tendo como uma de suas peças mais interessantes (e bem exploradas nos filmes fictícios) uma maquete que reproduzia a guerra. Outros filmes traziam depoimentos de ex-combatentes falando de Master Chief.

Um dos maiores desafios para que o case fosse bem sucedido foi a comunicação para públicos muito diferentes em si: os amantes de Halo 3, "era fundamental que eles continuassem conosco", afirma Tribe; os amantes de games que não conhecem muito Halo 3; e os que gostam de entretenimento de modo geral, mas que não utilizam videogames.


Fonte: Por Felipe Turlão, in wavefestival.mmonline.com.br
0