Pular para o conteúdo principal

Comunicação e Expressão - II

No ano de 2001 o economista Joseph Stiglitz angariou o prêmio Nobel de Economia em função de seus estudos terem comprovado a “Teoria da Assimetria da Informação”. A teoria vigente até então, baseada na crença liberal da auto-regulamentação do Mercado, supunha que o equilíbrio poderia ser naturalmente alcançado em função do que poderíamos chamar de “isonomia da Informação”.

Os estudos mais recentes (incluindo o livro Freakonomics de Steven Levitt) demonstraram que nem a Internet afetou de forma sensível o fenômeno da assimetria (acesso e capacidade de uso da informação em benefício próprio). A conclusão desoladora dos estudos de Stiglitz é a de que o uso privilegiado de informações conduz a um desequilíbrio econômico permanente retardando indefinidamente a possibilidade de uma real distribuição de renda a partir dos mecanismos tradicionais de gestão do Mercado.

Problemas como esse estão intimamente relacionados à “comunicação impossível” conforme anunciada no artigo anterior. Uma possibilidade de solução passa, necessariamente, por dois pontos: metodologia adequada e veículo (mídia) eficiente. De um lado se vislumbra a Teoria do Sentido e da Expressão de Gilles Deleuze, do outro, a Publicidade com seu poder de influência e sedução das massas. Alguns pontos relevantes do trabalho deleuziano deixarão mais claro o que foi antes denominado de “transfusão semântica”.

• O Sentido – Em sua Lógica do Sentido, Deleuze faz uma ampla análise lingüística visando evidenciar sua tese de base de que o sentido é exterior ao círculo da proposição. Nessa tese o termo “Sentido” está vinculado às sensações, e não à significação (ato de vinculação de um termo lingüístico a um objeto. Ex.: a palavra “mesa” e sua relação com o objeto que designa.). Antes mesmo de podermos designar lingüisticamente um objeto com o qual nos relacionamos pela primeira vez, a mera experiência sensível do objeto já é suficiente para nos mobilizar. Essa mobilização (intenção de significação) não seria possível sem a precedência do Sentido. Segundo o Filósofo, “o sentido é como a esfera em que estou instalado para operar as designações possíveis e mesmo para pensar suas condições”.

• A Expressão – É em função dessa “esfera” que Deleuze enfatiza a propriedade do Sentido de ser o “expresso da proposição”. Quando tentamos nos comunicar, falamos sobre palavras e nos angustiamos por não conseguirmos nos fazer entender (ficamos presos ao círculo da proposição). É como se você quisesse que alguém conhecesse um parente seu apenas mostrando uma foto dele. O trânsito direto de uma sensação ou idéia para um interlocutor consiste na Transfusão Semântica ou Expressão do Sentido. Não se trata mais de uma Representação (mostrar a foto do parente), mas de uma Apresentação (ato de tornar presente), tanto do sentido quanto do parente.

• A Imagem – Em um ponto pelo menos Michel Maffesoli e Gilles Deleuze se encontram: trata-se do interesse pelo Imaginário. Se o primeiro aborda a imagem em seu caráter arquetípico presente na mitologia, o segundo se dedica às implicações da imagem como instrumento de Expressão do Sentido. Seus dois livros, Imagem Movimento e Imagem Tempo, dedicados a um pioneiro estudo filosófico sobre o cinema, em conjunto com a Lógica do Sentido, deixam claro a íntima relação existente entre imagem, expressão e sentido. As dificuldades em entender esse ponto se deve, em grande parte, a estarmos acostumados a usar o termo “imagem” em seu significado pictórico.

Maffesoli aborda o imaginário a partir das concepções de “inconsciente coletivo” e “arquétipo” desenvolvidos na Psicologia Analítica de Carl Gustav Yung. Deleuze, por sua vez, parte de uma metodologia desenvolvida em conjunto com o psicanalista Felix Guatarri nas décadas de 60 e 70 do século passado. Pragmática, Esquizoanálise, Cartografia Transcendental, são alguns dos nomes usados por eles em referência a esse método. O vínculo entre Imagem e Sentido presente na concepção filosófica de Imaginário, remete, imediatamente ao chamado “imaginário popular” ou – como costumamos dizer em Filosofia – Senso Comum. Esse não deve ser um tema estranho aos leitores de Maffesoli.

O propósito da intenção de comunicação é a mobilização do(s) interlocutor(es). A conclusão dessa intenção passa, necessariamente, pela criação de um signo comum (comunicação). Esse processo esbarra em problemas que vão desde a dificuldade de abstração até o baixo nível de instrução do interlocutor (fontes da assimetria da informação estudada por Stiglitz e um calo no pé dos redatores. A esse propósito ver pesquisa feita pela Toledo & Associados para a ADVB em 2006 mostrando que apenas 46% dos profissionais de Marketing em São Paulo, possuem curso superior completo entre outros dados alarmantes). Uma aplicação prática e simples da metodologia esquizoanalítica no que diz respeito à Transfusão Semântica, está presente na forma de identificação de banheiros masculinos e femininos em estabelecimentos públicos.

Em vez de escrever nas portas “masculino” e “feminino” ou “homem” e “mulher”, que são termos semanticamente restritos a uma língua específica (no caso a Língua Portuguesa), o Sentido ou Intenção de Mobilização passou a ser expresso universalmente com duas Imagens: de um lado, uma cartola e uma bengala; do outro, uma bolsa de mão e um par de luvas. Nesse caso, como diz Deleuze, não dialogamos ou tentamos nos comunicar, mas “nos instalamos direto no sentido”. É a expressão superando a comunicação; é a lentidão do significado comum sendo substituída pela velocidade absoluta do Sentido.

Campanhas como a da Benetton veiculada ao longo dos anos 90 são exemplos de associação do poder da Expressão contido na Imagem e a veiculação de valores de inclusão social. Em exemplos como esses se faz perceber o quanto é possível o resgate do sentido original do termo Publicidade através de campanhas que atuam diretamente no imaginário popular. “A publicidade tem o poder de difundir o absoluto, através de imagens. Vocês percebem o que isto quer dizer?” É a pergunta sem resposta feita por Maffesoli na palestra publicada na Revista da ESPM de setembro/outubro de 2006. O absoluto é o Sentido; a Imagem é o seu principal modo de Expressão; a Publicidade, um meio (mídia) eficaz de Transfusão Semântica.


Fonte: Por Moisés Efraym, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …