Pular para o conteúdo principal

O jeito AmBev de gestão

Ao assumir o controle da cervejaria canadense Labatt depois da formação da InBev, a brasileira AmBev encontrou no Canadá uma fábrica muito abaixo de seus padrões. Mas isso já era de se esperar. Quando se associou à Interbrew, numa operação que resultou na formação da InBev atual, a AmBev assumiu um sério compromisso: transferir à nova empresa o seu jeito de fazer as coisas. Naquela época, a AmBev já era conhecida por ser a cervejaria mais eficiente do mundo. Os resultados não demoraram a aparecer. Hoje, quatro anos depois, a InBev é o maior grupo cervejeiro mundial e estendeu suas operações a quatro continentes, inclusive a China. Na presidência mundial está o brasileiro Carlos Brito, um jovem executivo formado na escola da AmBev que levou para a Bélgica uma equipe de outros brasileiros para assisti-lo. Neste exato momento, há brasileiros trabalhando na China, transferindo para lá a filosofia da AmBev.

Ao observador externo, a AmBev aparece como um gigante implacável, que só se contenta com os primeiros lugares. Mas poucos procuraram analisar o que torna a AmBev tão temida e invejada. Quando a empresa surgiu, em 2000, o Brasil atravessava um período de crise cambial sem precedentes. As empresas brasileiras haviam se tornado presas fáceis para os investidores estrangeiros. Naquele cenário, a AmBev tinha dois objetivos básicos: assumir o controle do mercado brasileiro, antes que algum estrangeiro o fizesse, e partir decisivamente para a expansão no exterior, como condição de sobrevivência. Hoje, apenas sete anos depois, a AmBev controla cerca de 70% do mercado nacional de cervejas e possui posições de liderança em toda a América Latina e no Canadá. Seu patrimônio líquido cresceu 14 vezes nesse período. Essa trajetória extraordinária é uma das experiências de gestão empresarial mais fascinantes jamais tentadas no Brasil. Os analistas que procuraram explicar as razões desse sucesso dizem que a AmBev é arrojada, inovadora, agressiva e obstinada. Na verdade ela é tudo isso, mas o verdadeiro segredo é sua capacidade de sonhar grande e de transformar rapidamente esses sonhos em realidade. Resta, no entanto, a pergunta: como ela consegue transformar sonhos em realidade tão depressa? O que há de diferente no estilo de gestão da AmBev? Procurando a resposta para estas perguntas, analisamos os relatos do dia-a-dia na empresa e os cruzamos com o enunciado de missão, crenças, valores e competências da AmBev. Eis as diferenças que fazem a diferença:

- Inovações e mudanças: "Sonhamos grande porque cremos que a AmBev será do tamanho dos nossos sonhos. Buscamos inovações continuamente e nos esforçamos para aplicá-las com sentido de urgência".

- Gente faz a diferença: "Procuramos sempre recrutar gente melhor do que nós. Preferimos ser empurrados a ter de empurrar. Queremos fazer da AmBev uma meritocracia, onde todos podem crescer segundo seu talento e os resultados que conseguem, sem restrições ou favorecimento. Investimos no desenvolvimento das pessoas e valorizamos o sucesso".

- Estímulo à criatividade: "Estimulamos e premiamos as soluções encontradas por nossos colaboradores. Encaramos os erros cometidos como parte do processo de aprendizagem. Cultivamos o respeito e a confiança mútuos, essenciais ao trabalho em equipe".

- Foco nos resultados: "Temos uma constante insatisfação com os resultados já alcançados. Insistir em novas metas ajuda-nos a nos concentrar no que é essencial. Trabalhamos duro e com entusiasmo, usando sempre o tanque reserva".

- Donos do negócio: "Queremos que nossos executivos pensem como donos, para serem reconhecidos como tal. Se a empresa vai bem, todos que contribuíram para isso são premiados. Se vai mal, todos sofrem".

- Eficiência em custos: "Gestão de custos é uma verdadeira obsessão para nós. Todas as nossas unidades adotam o Orçamento Base Zero (OBZ), que estimula o comprometimento com o controle de despesas e custos".

- Tolerância zero: "Somos uma empresa diferente das outras, com cultura própria. Para defender e preservar esta cultura, adotamos tolerância zero. É melhor ficar vermelho uma vez a amarelar para sempre".

- Liderança pelo exemplo pessoal: "Queremos vencer respeitando a ética. Acreditamos no velho ditado romano: 'as palavras convencem, mas o exemplo arrasta'. Somos éticos. Queremos resultados, sim, mas queremos vencer respeitando as regras. Malandragens e espertezas corroem a empresa. Não toleramos nada do gênero. Jamais sacrificaremos nossas marcas, a qualidade de nossos produtos, nossa cultura ou nossa imagem institucional em troca de resultados".

Finalmente: "Cultivamos a solidariedade, o companheirismo e a lealdade. Gastamos sola de sapato e gostamos de pôr a mão na graxa. Preferimos falar com todos e ver tudo pessoalmente, em vez de ler relatórios".

Na língua portuguesa, a palavra manipulação tem um sentido de intriga, segredo e conspiração. Nas novelas, por exemplo, há quase sempre um espírito maligno que manipula as pessoas ao redor, jogando umas contra as outras, para atingir seus desígnios. Infelizmente, muitas empresas consideram a manipulação como coisa natural e até necessária. Mas não é essa a opinião da AmBev, que optou pela transparência em sua forma de administrar, transformando-a em um dos elementos-chave de sua cultura. No caso da Ambev, a transparência é completada pela tolerância zero. Em outras palavras: as cartas estão na mesa, à vista de todos. Mas quem não aceita as regras do jogo é excluído sumariamente, sem ter uma segunda chance.


Fonte: Por Francisco Gracioso, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …