Pular para o conteúdo principal

Avaliando natureza e qualidade de relacionamento

Creio que poucos discordam de que o cuidado com os relacionamentos organizacionais seja responsabilidade maior da equipe de comunicação. Basta alguém demonstrar ou comentar qualquer ponto negativo relacionado à empresa em que trabalhamos para, de imediato, começarmos a pensar numa estratégia para reverter essa situação.

No planejamento, dar atenção à melhoria dos relacionamentos é ponto essencial para o sucesso dos programas e projetos, uma vez que quase tudo que fazemos é investigar e atender a expectativas dos públicos que representamos.

O relacionamento com os vários públicos de interesse precisa compor a pauta da avaliação de resultados de comunicação. Seu manejo é uma das poucas atribuições diretamente ligadas à nossa área de atuação. Por isso, o resultado de um bom relacionamento pode ser isolado dos resultados obtidos sob a influência de outras áreas (RH, Marketing, Vendas, TI) quando mostramos o impacto de nosso trabalho no alcance dos objetivos organizacionais.

Relacionamento é com a gente mesmo. Se ele vai bem, palmas, principalmente para o trabalho da nossa equipe de comunicação. Se não vai bem, recebemos olhares tortos. Nada mais natural, portanto, que avaliar seus atributos e poder apontar oportunidades de avanço.

Dois grandes especialistas nesse tema, os professores Linda Hon e James Grunig, respectivamente das universidades da Flórida e de Maryland (EUA), orientam para que verifiquemos a natureza e a qualidade dos relacionamentos. Para isso, definiram seis indicadores testados em empresas, como Microsoft, Cruz Vermelha e General Eletric.

A natureza dos relacionamentos pode estar em diferentes níveis, entre a ‘troca’ e o ‘comunal’. O relacionamento é de ‘troca’ quando a empresa ou o público faz algo apenas esperando retorno ou para compensar o que já recebeu. As relações comerciais, normalmente, têm esse indicador como principal motivo de contato entre as partes, e, se for confirmado, ações de comunicação podem ampliar essa esfera puramente administrativa.

Já o relacionamento de natureza ‘comunal’ ocorre quando uma parte se preocupa com o bem-estar da outra e age positivamente sem esperar retorno direto. Imprensa e entidades filantrópicas e não-governamentais têm relacionamentos dessa natureza, mas empresas com programas de responsabilidade social também se encontram bem nesse quesito.

Para identificar a qualidade dos relacionamentos, há quatro indicadores:
- confiança, representada pela crença na integridade, na segurança e na competência que uma parte enxerga na outra;
- mútuo controle, quando uma parte sabe que tem legítimo poder para influenciar as ações da outra;
- satisfação, quando uma parte tem suas expectativas atendidas a ponto de o benefício compensar qualquer custo;
- comprometimento, identificado quando uma parte demonstra ter energia e está motivada para alimentar o relacionamento.

Como avaliar esses indicadores? Não há mágica, é por meio de pesquisa mesmo. Se puder terceirizar, excelente. Mas se não puder, a dica é priorizar um só público por determinado período. Ter foco e não querer abraçar o mundo são opções plenamente aceitáveis em tempos modernos.


Fonte: Por Gilceana Galerani - gerente de comunicação empresarial da Embrapa Soja, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …