Pular para o conteúdo principal

Todos contra o Orkut

Quando se fala em rede social no Brasil, o primeiro nome que vem à cabeça é o Orkut. Não poderia ser diferente. Todos os meses, quase sete em cada dez usuários de internet residencial do país acessam o site de relacionamento do Google pelo menos uma vez. No último ano, a audiência do Orkut cresceu 30%. A interação e as conversas entre os usuários são o coração e o sangue que mantêm vivo esse tipo de site, e nesse quesito os internautas daqui são imbatíveis. Além de passar mais horas online do que qualquer outra nacionalidade, os brasileiros são líderes mundiais em tempo de navegação nas redes de relacionamento. Também estão entre os mais jovens, segundo Alexandre Magalhães, gerente de análise de mercado do Ibope/NetRatings, empresa que faz o principal levantamento de audiência de internet. Traduzindo: o Brasil é uma mina de ouro para as redes sociais — e o resto do mundo percebeu. O Facebook, maior rede social do planeta, acessada por cerca de 120 milhões de pessoas, terminou em junho um processo de tradução para o português. A rede americana LinkedIn, com foco no ambiente profissional, vai lançar uma versão para o Brasil em breve, e a novata Sonico, da Argentina, abrirá um escritório no país no segundo semestre. O Orkut, que até agora reinou solitário, vai enfrentar competição por todos os lados.

Desbancar o líder será uma tarefa dificílima, pelo menos no curto prazo. A rede tem no país mais de 50% dos seus 27 milhões de usuários, e se beneficia do efeito de rede: trocar o Orkut por outra rede só faz sentido se todos os seus amigos forem junto, o que torna o custo da mudança muito alto. Mas os novos competidores têm força, dinheiro e, ao contrário do Google, são especialistas em redes sociais. Facebook e MySpace têm alcance global e são os dois nomes mais conhecidos mundialmente nesse segmento. Mas quem vem apresentando os melhores resultados, de acordo com os dados do Ibope/NetRatings, é o quase desconhecido Sonico, da Argentina. Com menos de um ano de idade, o serviço criado pelo economista Rodrigo Teijeiro teve um crescimento formidável entre os usuários brasileiros. A versão em português saiu há apenas cinco meses e o Sonico já conta com 3,9 milhões de usuários no país. Nascida como uma empresa de cartões virtuais, a Sonico se converteu numa rede de relacionamentos e já aparece como a segunda mais visitada pelos brasileiros. O sucesso foi tão grande que a companhia terá um escritório brasileiro no segundo semestre. Para o diretor de comunicação Juan Pablo Sueiro, um dos motivos foi aprender com os erros do líder. Uma equipe de 40 pessoas checa todos os novos perfis. Fotos de animais ou celebridades numa página pessoal, por exemplo, são vetadas. “Credibilidade e privacidade são fundamentais para que os usuários recomendem uma nova rede para seus amigos”, diz Sueiro.

O líder mundial Facebook também vem crescendo rapidamente por aqui graças a um sistema mais sofisticado. Além de montar listas de amigos e participar de comunidades, o Facebook permite que seus usuários escolham entre mais de 24 000 pequenos programas para instalar em seus perfis. Criados por desenvolvedores independentes, esses miniaplicativos podem ser jogos, ferramentas de comparação do gosto musical ou maneiras divertidas de interação com os amigos. Embora ainda seja relativamente desconhecida dos usuários brasileiros, a experiência mais completa do site americano pode ser uma ameaça real ao Orkut, diz Luli Radfahrer, professor de comunicação digital da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. “Muitas das novas redes que estão surgindo são apenas cópias, mas o Facebook traz algo realmente novo: os aplicativos”, afirma Radfahrer. O Google anunciou no final do ano passado que o Orkut também teria aplicativos criados por programadores independentes, mas a estréia da novidade já foi adiada pelo menos duas vezes nos últimos dois meses. Uma nova data foi marcada para o dia 10 de julho — ainda assim, o lançamento será gradual, com conclusão prevista para o final do mês. Ou seja, vai levar um bom tempo até que haja aplicações variadas e, acima de tudo, com qualidade.

Dono da maior audiência do Brasil, o Google não ganha um centavo sequer com o Orkut. Mas alguns concorrentes têm, sim, um modelo de negócios claro para rentabilizar a audiência das redes sociais. Nesse sentido, o mais inovador deles é o LinkedIn, rede voltada para ser um repositório online dos contatos criados no ambiente de trabalho. Além das receitas com publicidade, a idéia é criar modelos de cobrança para empresas que queiram recrutar funcionários na rede ou publicar anúncios de vagas. Usuários mais devotados podem pagar para ter uma conta Premium, que dá direito de fazer pesquisas mais completas, por exemplo. Com um claro modelo de negócios, o serviço criado pelo multimilionário americano Reid Hoffman já recebeu quatro rodadas de investimento de capitalistas de risco, que totalizaram 80 milhões de dólares — o que levou a avaliação do serviço a 1 bilhão de dólares. Embora seja um serviço de nicho, o LinkedIn deve capturar um tipo de usuário que está fora do Orkut por achar que um perfil na rede não é condizente com a imagem no trabalho. O site ainda não foi traduzido para o português, mas cerca de 350 000 brasileiros já criaram seu perfil. “Podemos explorar um mercado potencial de 20 milhões de profissionais no Brasil”, diz Florencia Pettigrew, gerente de marketing internacional do LinkedIn.


Horário nobre
Orkut = 16 140 0000
Sonico = 1 830 000
MySpace = 1 113 000
Via6 = 957 000
hi5 = 644 000
Habbo = 385 000
Facebook = 365 000
Fonte: Ibope/NetRatings


Apesar do começo auspicioso no Brasil — compreensível, dado o entusiasmo do público daqui por tudo o que diz respeito a interação —, o impulso inicial das redes não é garantia de sucesso. Essa é a crença de Emerson Calegaretti, diretor da operação brasileira do MySpace. Para acelerar o crescimento no Brasil, o site desenvolveu uma ferramenta que permite aos usuários convidar contatos do Orkut. Mas talvez o grande inimigo do líder sejam suas próprias deficiências. Após meses sob os holofotes da CPI da Pedofilia, o Google firmou um termo de ajustamento de conduta com o Ministério Público Federal. Os mecanismos de investigação dos supostos pedófilos foram azeitados. Foram estabelecidos mecanismos de filtragem do conteúdo enviado ao site e a colaboração com as autoridades brasileiras ficou mais eficiente.

A imagem do serviço, porém, sofreu com tanta atenção na mídia. Igualmente, muitos usuários pioneiros, justamente os responsáveis por espalhar a palavra do Orkut nos primeiros tempos, ficaram incomodados com a falta de recursos para garantir a privacidade. Durante muito tempo, spam, perfis falsos e vírus se disseminaram livremente pelo Orkut, e esse tipo de dano é difícil de reverter. Desbancar o líder não será tarefa fácil para os concorrentes. Como diz Felix Ximenes, diretor de comunicação do Google: “Os brasileiros abraçaram o Orkut antes de o resto do mundo descobrir as redes sociais”. Essa é uma vantagem considerável. Os cerca de 16 milhões de usuários por mês também são uma fortaleza difícil de ser conquistada. Mas pode estar certo: o ataque vai vir de todos os lados.


Fonte: Por Denise Dweck, in portalexame.abril.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …