Pular para o conteúdo principal

As lições do continente gelado para o cotidiano empresarial

Pedro, Mónica, Marcos e Álvaro são alguns dos poucos privilegiados que puderam desfrutar diretamente da Antártida, um vasto continente gelado de 13 milhões de quilômetros quadrados.

Executivos da Coca-Cola, eles participaram de uma expedição liderada pelo britânico Robert Swan, explorador, ecologista e embaixador da WWF Adena, primeiro a percorrer os dois pólos a pé. Passo a passo comprovou o valor incalculável deste denso território gelado para a conservação do ecossistema mundial e quis incutir este compromisso ambiental ao resto do mundo.

Junto à Coca-Cola pôs em marcha o projeto Missão Antártida, iniciativa com o objetivo de estabelecer uma estação educativa na ilha Rei Jorge, para conhecer e compreender melhor o desafio ambiental lançado por Swan. Potencializar a liderança, o autoconhecimento e o trabalho em equipe são alguns dois valores que o quarteto trouxe na mochila depois de viver uma experiência inesquecível a bordo de um barco que cruzou a Antártida.

Pedro Fernández trabalha em pesquisa de mercados na Coca-Cola e foi um dos primeiros empregados da companhia que se atreveu a pisar no gelo: esteve 16 dias em 2005. "A bordo do barco, conhecemos 52 pessoas procedentes de 21 países. Com os europeus se tem mais afinidade, mas é muito enriquecedor estar nesse ambiente com um índio, um queniano ou um australiano", diz Fernández.

Diferentemente de Pedro, Álvaro Bernard, responsável da multinacional pela área de vendas e de marketing na Europa, sabia o que ia encontrar. Acaba de chegar da expedição depois de 66 dias em que dividiu a experiência com 66 pessoas de 26 países. "Trata-se de uma sensação única que não saberia transmitir. A construção da base educativa com a qual se iniciou este programa havia acabado. Agora o que tinha de fazer era pô-la em prática. Trabalhar lado a lado com pessoas que você não conhece por um objetivo comum é uma experiência com a qual se aprende muito".

Concretamente, Bernard aponta a liderança em situações extremas: "às vezes, a temperatura chegava a baixar 20 graus de repente, e o vento era tal que o impedia de sair, inclusive de ir à parte superior. É nesse tipo de situação que se recorre à liderança sustentável. Na nossa visão unia-se a parte teórica com a prática para conseguir um objetivo comum". Mónica Brías, controller do orçamento financeiro, que permaneceu duas semanas no continente gelado em 2005, concorda com Bernard: "As atividades não podiam ser programadas. Todo dia havia uma tarefa, e você fazia o papel de líder ou de colaborador. No final da atividade havia um feedback em que estavam presentes o Robert Swan e dois especialistas em gestão de equipes".
Brías salienta a segurança, que tanto Robert Swan quanto sua equipe transmitiam. "Enfrentamos duas situações de risco. A primeira quando duas placas de desprenderam e quase fomos pegos, e quando encalhamos no banco de areia de uma ilha. Neste caso tivemos sorte, a maré baixou e saímos. Em nenhum momento senti medo".

Bernard também fala da desconexão do mundo: "Você fica livre de tudo e tem tempo para sentir o silêncio". Reconhece que no outro canto do planeta se percebe de outra maneira o impacto da mudança climática e que ele, pessoalmente, tratou de pôr algo de si para reduzi-lo:" Não viajo mais de uma vez por semana devido aos efeitos dos vôos e também porque decidi me preocupar mais com minha qualidade de vida". Da mesma maneira Pedro explica que, ainda que não se note a curto prazo o compromisso ambiental, ele será apreciado mais tarde. "A separação de lixo, a economia de água e questões deste tipo se interiorizam e tento transmiti-las à minha família. Por outro lado, também aprendi a valorizar a importância do trabalho em equipe".

Marcos de La Torre, responsável pela marca na Espanha, viveu na Antártida duas semanas e meia em 2007. Ao lembrar o nível de compromisso dos participantes na viagem (60 pessoas de 20 países), La Torre diz ter apreendido uma forma diferente de agir. "Antes estava focado em resultados e não era muito partidário da diversidade. Agora mudei. Aprendi que as possíveis soluções que uma equipe traz enriquecem o resultado".


Fonte: Por Expansión, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …