Pular para o conteúdo principal

Homem de Ferro e Hulk são a aposta da Marvel para crescer faturamento em 20%

Tudo vai bem no mundo Marvel. Entre seus principais heróis, o filme "Homem-Aranha 3" faturou, somente nos cinemas, US$ 900 milhões em todo o mundo. Somando esse resultado com as bilheterias mundiais de "O Quarteto Fantástico e o Surfista Prateado" e o "Motoqueiro Fantasma" a receita sobe para US$ 4,6 bilhões.

Esses resultados animaram os executivos da companhia, que investiu em um estúdio próprio para produzir os próximos filmes com seus personagens. "Os contratos em vigor com outros estúdios continuam valendo. A iniciativa da Marvel de ter um estúdio próprio visa, além de ganhos financeiros, um controle maior sobre as histórias que envolvem seus personagens", afirma o presidente da Marvel Entertaiment International, Simon Philips.

Para estrear os novos estúdios foram escolhidos dois heróis: Homem de Ferro e O Incrível Hulk, este último com cenas gravadas no Rio de Janeiro. O primeiro tem sua estréia mundial na telona em 4 de maio de 2008, já o gigante verde chegará em 13 de junho. Também estão previstos os filmes "Wolverine", para julho, e "O Justiceiro 2", para o terceiro trimestre de 2008.

Herói na tela, produtos nas prateleiras. Representada no Brasil pela ITC International Trading Consultants há três anos, a Marvel percebeu o grande potencial que o mercado brasileiro oferece no setor de licenciamento de personagens. Segundo Peter Carrero, presidente da ITC, os negócios com os heróis da Marvel por aqui cresceram de forma espetacular, "no primeiro ano o crescimento foi de 60%, no ano seguinte chegou a 347% e este ano será de 108%", afirma o executivo. "Na verdade, antes de nossa parceria, a Marvel explorava muito pouco o licenciamento no Brasil", diz o diretor de licenciamento da ITC, Glenn Migliaccio.

Por enquanto o grande campeão de vendas de produtos é o Homem-Aranha. São R$ 400 milhões em vendas para o consumidor. "Sem dúvida, Homem-Aranha 3 foi um dos maiores sucessos do ano", comenta Carrero, da ITC. Agora, com Hulk e Homem de Ferro a expectativa é aumentar em 20% esse total. "O objetivo é igualar ou até mesmo ultrapassar as 51 parcerias feitas com Homem-Aranha", afirma Migliaccio.
Carrero diz que um personagem pode gerar de 60 a 65 famílias de produtos. No caso de Hulk e Homem de Ferro os segmentos de cartonados, confecção, chicletes e mochilas já possuem empresas licenciadas.

Na primeira versão de Hulk para o cinema, em 2003, a ITC mantinha parceria com os estúdios Universal, responsável pela distribuição do filme no Brasil. Na época foram fechados 20 contratos de licenciamentos do personagem. "A expectativa para o novo filme é dobrar esse número", conta Migliaccio. Na verdade, a versão anterior do gigante verde não foi bem aceita pelos fãs. "No novo filme, Hulk é um herói e salva o mundo com muitas cenas de ação. É uma história bem diferente do primeiro filme, em que é contada a história do personagem", revela Philips, da Marvel.


Fonte: Por Sheila Horvath, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 6
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …