Pular para o conteúdo principal

Aumento de credibilidade traz desafios para as empresas

Um dos dados mais relevantes do 10º Estudo Anual de Confiança Edelman, relativo a 2009, constata que a confiança das pessoas nas empresas aumentou no Brasil, diferentemente do que ocorreu em boa parte do mundo, sobretudo nos EUA. Passou de 61%, na edição 2008 do estudo, para 67% em 2009. Assim, as companhias passaram a ocupar o primeiro lugar entre as instituições na preferência dos brasileiros - o bom momento econômico vivido pelo País até a eclosão da crise explica o desempenho.

Mas como o mundo corporativo pode se beneficiar dessa elevação de credibilidade? Há alguma estratégia de comunicação que possa ser desenvolvida para capitalizar em cima dessa avaliação?

Essa foi das questões surgidas durante evento promovido ontem, em São Paulo, pela Gazeta Mercantil e a Edelman para discutir os resultados da pesquisa. Com mediação de Marcello D’Angelo, diretor-geral da Gazeta Mercantil, o debate contou com a presença de Gail Becker, presidente da Edelman para a região oeste dos EUA e chairwoman para Canadá e América Latina, que analisou os dados gerais do estudo, abordado em suplemento encartado na edição de ontem do jornal. Charles Krieck, sócio de consultoria e serviços da Consultoria de Riscos KPMG; Sílvio Laban, professor dos programas de marketing, tecnologia e varejo da FVG-EAESP e Ibmec São Paulo; e Ronald Mincheff, presidente da Edelman Brasil, também fizeram parte da mesa debatedora.

Foi o próprio Mincheff quem conjeturou sobre o que as empresas devem fazer com o aumento da credibilidade. "As companhias devem ser responsáveis, fazer alianças, ter uma comunicação transparente e se preocupar com a sociedade", diz, referindo-se aos anseios das pessoas verificado no estudo.

As parcerias se devem ao fato de que as pessoas veem as empresas como responsáveis por muitos dos problemas da sociedade.

"No Brasil, porém, confia-se mais nas empresas americanas e inglesas do que até mesmo os próprios anglo-saxões em relação às companhias daqueles países", reforça Gail.

Laban, por sua vez, destaca o fato, verificado na pesquisa, de que as pessoas buscam diversas fontes informativas para formarem uma opinião, por exemplo, sobre a crise. "Isso se deve à rapidez das mudanças, o que dificulta a compreensão. E os avanços da tecnologia permitem o uso da inteligência coletiva na construção do entendimento", afirma Laban, referindo-se ao fortalecimento da web como fonte de informação, especialmente entre os jovens. "Antes, empresas se comunicavam por meio de relatórios. Hoje, o relacionamento mudou e inclui muitos públicos, como a mídia, órgãos reguladores e a sociedade", analisou Krieck, da KPMG.


Fonte: Por Clayton Melo, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 8
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …