As imagens para o esquecimento

As prisões de diretores da Daslu e da Construtora Camargo Corrêa, acontecidas nesta semana, são narrativas de esquecimento. Elas alimentam a voracidade informacional com imagens fortes, colocadas pelos administradores dos acontecimentos em lugares estratégicos: loja do mercado de consumo de luxo, o centro administrativo de uma das maiores empreiteiras do país e as jaulas de presídios masculinos e femininos.
Ao contrário do que pregava Simônides, o pai das primeiras mnemotécnicas, e os seus seguidores, estes tipos de lugares, fornecem imagens fortes para o instante e para o esquecimento dos fatos de ontem.

A produção de imagens está descolada da experiência individual. É a produção de uma grande novela impressa e digital, em que a narrativa é pontual, fragmentada. Os acontecimentos envolvendo a Daslu e Camargo Corrêa são histórias que não se completam. São como estrelas cadentes que só riscam o céu. Passam velozes, provocam alguma percepção efêmera, sem conseqüências e uma sensação de tanto faz. São histórias-padrão para ninar os adultos deseducados em enxergar as sutilezas e na habilidade de interferir na cidade, na comunidade, no mundo. A repetição é, talvez, o que explica o fato de estarmos consumindo informações apocalípticas quase sem reação.

A memória tradicional e suas musas geradoras de artes, como as plásticas e a literatura, procuravam no espaço dos museus e das bibliotecas a perenidade de algo original. A memória do presente parece prescindir dos lugares e de suas imagens e acontecimentos. Artistas como Andy Warhol não acreditavam na eternidade de qualquer objeto artístico. Warhol elegeu como seus objetos artísticos as celebridades do cinema, da música, da política e do consumo e circulação de sua época: Marilyn Monroe, Elvis Presley, Mao Tse Tung, Jackie Kennedy, a sopa Campbell, a nota de dólar. O artista brasileiro Vik Muniz produz as suas imagens de celebridades com materiais proustianos como o chocolate, o caviar, o açúcar.

O jornalismo do nosso tempo assumiu as narrativas efêmeras e o rolo compressor do excesso de informações, sem o ideal de criar memória e aprendizado. As imagens da Daslu e da Camargo Corrêa, como foram as de Isabela Nardoni, de Daniel Dantas e da administração dos três Poderes brasileiros, são as nossas latas de sopa Campbell. Servidas, esquentadas e requentadas. Exatamente da maneira que merecemos.


Fonte: Por Paulo Nassar, in www.aberje.com.br
0