Pular para o conteúdo principal

Google testa anúncios baseados nos hábitos de navegação do usuário

O Google começou hoje a testar um novo modelo de anúncios. Normalmente, as suas propagandas são ligadas às palavras-chave buscadas, o que se tornou a chave do sucesso dos links patrocionados ao dar relevância ao que era anunciado. A novidade busca trazer essa mesma relevância só que com base nos hábitos de navegação do usuário, um método conhecido pelo pelo termo em inglês “behavioral targeting” (algo como direcionamento comportamental em inglês) e já usado por concorrentes da empresa. Como a companhia ressalta em seu blog oficial, o objetivo é tornar os anúncios mais interessantes e, assim, gerar mais cliques e receita.

A novidade é o resultado mais aparente da fusão do Google com a empresa de tecnologia e publicidade Double Click realizada há quase dois anos. O método usa um cookie para monitorar usuários quando eles estão em um dos sites que contém anúncios da empresa. Eles serão inseridos em 20 categorias - e 600 subcategorias - com base no conteúdo das páginas visitadas. Essas classificações, segundo a empresa, não incluem temas mais delicados como raça, religião, orientação sexual e aspectos financeiros ou de saúde. Esses hábitos também não serão associados a informações de busca ou de outros serviços da companhia como o Gmail.

Por usar o histórico de navegação para determinar qual o melhor anúncio para cada pessoa, o método é visto com ressalvas por especialistas e políticos, que temem uma invasão na privacidade dos internautas. Ciente disso e de que é a principal empresa em termos de anúncios online, o Google prevê novas formas aos usuários de proteger seu histórico para remediar essas críticas. Será a primeira grande empresa a permitir que o internauta saiba o que está sendo compilado sobre seus hábitos e edite conforme achar adequado.

A medida gerou elogios por parte de ativistas da área. Mas ainda não é o suficiente. “Achamos que muito mais precisa ser feito para educar as pessoas e dizer como elas podem ficar de fora disso”, disse Ari Schwartz, diretor de operações do Centro para Democracia e Tecnologia, ao New York Times.

O Google não vai avisar ao usuário que ele está vendo anúncios baseados em seu comportamento, mas aqueles que clicarem no link “Ads By Google” poderão saber mais detalhes de como o novo modelo funciona. Lá também será possível ver e editar as categorias as quais a pessoa está associada. A novidade será testada com alguns anunciantes selecionados para só depois ser aplicado ao mercado como um todo.


Fonte: Por Rafael Barifouse, in Blog Tecneira
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …