Pular para o conteúdo principal

Sustentabilidade tornou-se uma questão de sobrevivência

Qual é o novo modelo de gestão que surgirá a partir da atual crise financeira? Esta pergunta tem circulado no meio empresarial, que procura sobreviver em meio à turbulência. Os tempos são outros e acabou a fase em que organizações não pensavam na sua ocupação física no mundo e as influências disso, sejam ambientais, sociais, culturais e econômicas, mesmo com o cenário econômico adverso. Sim, temos de defender o que é nosso, mas há de se curvar à inexorável necessidade de sobrevivência a médio e longo prazos. E isso só é possível se apoiado no conceito de sustentabilidade. Agora, não se pode perder de vista este item.

Algumas décadas atrás, uma organização instalava-se em imensa área de nosso território e praticava solitária gestão, atrelada a si mesma, de afirmação junto aos seus donos. Hoje, os sócios são apenas uma das partes interessadas que inclui, ainda, os clientes, colaboradores, a comunidade em que está estabelecida, além de concorrentes, fornecedores, investidores e governo. Pensar em todos esses agentes - e as vertentes que os mesmos carregam - é essencial para o desenvolvimento do negócio, quer pela abordagem de marketing, quer por ser parte dos valores das empresas. Assim, verifica-se que a adoção de ações sustentáveis passou a ser avaliada por um grupo muito maior e mais complexo de pessoas do que tempos atrás - quando existia o exercício da prática sustentável.

O meio ambiente também segue em pauta mesmo com a turbulência da crise financeira. Há um crescente entendimento de que sustentabilidade na dimensão ambiental pode ser um pré-requisito para a rentabilidade, especialmente nos setores mais próximos ao consumidor final. No Brasil, a preocupação com o meio ambiente e sua preservação aparece nos resultados da pesquisa do Ibope de 2007, quando 30% dos entrevistados separavam o lixo para reciclagem, e 52% diziam comprar produtos que não agrediam o meio ambiente, ainda que mais caros. Com as devidas considerações às respostas, elas são uma sinalização do impacto da consciência ambiental no comportamento do consumidor final.

Entretanto, em meio aos debates nesses dias de grandes mudanças em relação à gestão, a questão da sustentabilidade é, na maioria das vezes, encarada como um custo, um "imposto" a ser pago pelas empresas que demandam políticas corporativas e cadeias de valor amigáveis ao meio ambiente. Essas organizações enxergam sustentabilidade ambiental por uma ótica de gerenciamento de risco.

Organizações líderes de mercado, como General Electric (GE), Suzano, Boticário, Bradesco, Natura, Banco Real, dentre outras, parecem estar trilhando um caminho diferente e encarando o meio ambiente como uma plataforma de crescimento sustentável.

O que importa na reflexão e análise do modelo de negócios sustentáveis é iniciar o processo. Cumprir os padrões legais, ter o tema sustentabilidade atrelado às doações para promover a marca pode ser um começo. Os desafios começam mesmo quando se pensa em incorporar sustentabilidade no dia a dia dos negócios e nos produtos-chave da empresa, buscando um retorno sobre o investimento de curto prazo. Passar para o patamar de inovação é levar a empresa a uma plena consciência ambiental. Ou seja, a transformação dos produtos para garantir que eles sejam sustentáveis na cadeia de produção, com retorno de investimento em longo prazo e chegar ao desenvolvimento do "brand equity".

Pensando além das paredes corporativas, as empresas - cedo ou tarde - percebem que, depois de adotadas as iniciativas mais simples, os maiores desafios ambientais requerem colaboração entre diferentes indústrias, além de trabalho conjunto com entidades governamentais e ONGs. O objetivo final deveria ser a criação de uma plataforma sustentável de negócios que atenda, ao mesmo tempo, necessidades ambientais e econômicas.

O novo mundo corporativo exigirá novas respostas para os negócios, além da fase crítica de sobrevivência que estamos passando. Buscar um novo modelo de gestão sustentável, refletindo sobre o seu papel dentro dos sistemas cada vez mais complexos é o maior desafio das organizações nos dias de hoje.


Fonte: Por Iêda Novais - sócia-diretora e coordenadora da Trevisan Consultoria e presidente do Conselho Fiscal da FNQ, in www.fnq.org.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …